Exposição revela Fortalezas da Ilha

05/05/2011 16:24

Fotografias, trajes de época, réplicas de canhão e maquetes das fortificações fazem parte da exposição Fortificações da Ilha de Santa Catarina que começa no dia 2 de maio e vai até 3 de junho, no Espaço Cultural do Arquivo Público de Estado de SC. Organizada pelo Projeto Fortalezas da Ilha de Santa Catarina da Secretaria de Cultura e Arte, a mostra apresenta fotos e relíquias das fortalezas de São José da Ponta Grossa, Santa Cruz (Ilha de Anhatomirim) e Santo Antônio (Ilha de Ratones Grande). As visitas podem ser feitas de segunda a sexta, das 13 às 19 horas. 

Com o objetivo de restaurar e revitalizar as fortificações construídas pelos portugueses no século XVIII, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) criou o Projeto Fortalezas. Ao mesmo tempo em que promove o estudo e a preservação, o projeto divulga e valoriza as fortificações históricas da Baía Norte da Ilha de Santa Catarina. Atualmente, a UFSC é gestora de três fortificações na região de Florianópolis: Fortaleza de Santa Cruz, na Ilha de Anhatomirim (no município de Governador Celso Ramos), Fortaleza de Santo Antônio, na ilha de Ratones Grande, Fortaleza de São José da Ponta Grossa e Bateria de São Caetano, ambas junto à Praia do Forte, no norte da Ilha.

O Projeto Fortalezas da Ilha mantém os três monumentos abertos à visitação durante o ano todo. Além de ter acesso aos prédios históricos e às exposições, o visitante entra em contato com a flora, fauna e as belezas naturais da Baía Norte da Ilha de Santa Catarina. As fortificações são consideradas verdadeiros museus ao ar livre, pois preservam o patrimônio cultural e nos contam muito da história da Ilha.
Em 2010, Santa Catarina comemorou os 271 anos do início da construção do Sistema defensivo da Ilha, idealizado pelo brigadeiro José da Silva (1739). No mesmo ano, marcou os 31 anos em que a UFSC assumiu a tutela da primeira fortaleza, Santa Cruz de Anhatomirim (1979) e 26 anos da sua abertura à visitação pública (1984). Ainda no ano passado, foram completados 21 anos do início do Projeto Fortalezas da Ilha (1989), que em parceria com o IPHAN e com o apoio da Fundação Banco do Brasil, concluiu a restauração de Anhatomirim. Outro fato comemorado foi a restauração completa das fortalezas de Ratones (1990) e São José Ponta Grossa (1991), que também passaram a ser administradas pela Universidade Federal.

 

 Local: Espaço Cultural do Arquivo Público de Estado de SC.
            Rua Duque de Caxias, 261, Saco dos Limões, Florianópolis/SC

 Data: 03/05 a 03/06/2011(2ª a 6ª feira a s das 13 às 19 horas)

 Maiores Informações: telefone 48 3721.8302 c/ Joi ou 48 3239.6070

Para conhecer mais sobre essas fortificações mantidas pela UFSC, acesse na Internet o endereço: www.fortalezas.ufsc.br
Para conhecer sobre essas fortalezas e todas as demais fortificações da Ilha de Santa Catarina acesse na Internet o endereço: www.fortalezasmultimidia.com.br/santa_catarina

Promoção:

Universidade Federal de Santa Catarina – Secretaria de Arte e Cultura (SeCArte)

Secretaria do Estado de Administração – Santa Catarina

Imprensa e Editora Oficial do Estado de SC

Arquivo Público do Estado de Santa Catarina

Realização:

Projeto Fortalezas da Ilha de Santa Catarina (UFSC)

Primeira mostra de dança é sucesso na UFSC

04/05/2011 17:12

Quem passou pela UFSC na sexta-feira, 29 de abril, foi pego por um clima de dança contagiante. Ministrantes, alunos, professores, funcionários ou simples observadores consideraram interessante e inovadora a iniciativa do Dia da Dança, fruto da parceria entre a Secretaria de Cultura e Arte e o Curso de Artes Cênias da UFSC. A adesão às comemorações do  Dia Internacional da Dança na UFSC foi marcada por uma programação gratuita e aberta a toda comunidade que incluiu oficinas de diversas modalidades, mostra de dança, palestra e mesa-redonda. Jazz, Tango, Dança Indiana, Danças Circulares, Yoga, nenhum estilo ficou de fora do evento que deverá se repetir no próximo ano na mesma data.

O ponto alto da programação foram as oficinas de dança que superaram as expectativas, com lotação de alunos. O ministrante da oficina de Dança Contemporânea, Leandro Ávila relatou com entusiasmo: “A lista de inscritos tinha 14 nomes, mas quando cheguei aqui havia quase 30 pessoas. Achei muito interessante a iniciativa, pois tanto os alunos quanto ministrantes foram beneficiados por essa troca de conhecimento”. Duas alunas presentes na oficina de Leandro empolgaram-se com a programação. Elas participaram de oficinas durante todo o dia, como a de Improvisação e a de dança de salão. “Cheguei aqui cedinho e ainda não consegui parar. A dança está na flor da pele. Todos deveriam participar”, comenta a estudante de Letras da UFSC, enquanto se dirigia à palestra sobre Danças e Políticas Públicas.

A mesa-redonda, que aconteceu às 16 horas, foi mediada por Vera Torres (Centro de Desportos – UFSC) com a participação das debatedoras Sandra Meyer, Marta Cesar e Bárbara Rey. O tema era um panorama sobre Danças e Políticas Públicas e fez o auditório do CDS encher. Antes de começar a discussão, a representante da Aprodança, Marta Cesar, expôs alguns assuntos que seriam abordados na mesa-redonda, a exemplo do projeto de incluir a dança nas faculdades públicas, como um curso superior. Falou ainda sobre a importância de se comemorar mundialmente essa arte do corpo.

Para finalizar a programação, mostras de grupos de dança revelaram a integração entre as experimentações dos cursos de artes cênicas e as práticas corporais de dança da Educação Física.  “Quando nós somos você”, “Um duplo”, “Belly Fuzion” , “Dança do Ventre”, “Grupo Náiadis” e “Tango”, foram as seis mostras que encerraram o evento sob aplausos do público ansioso para o próximo Dia da Dança.  “Nós repetiremos a dose, neste ano na Semana Ousada, em setembro, e em todos os anos no Dia Internacional da Dança”, diz com entusiasmo a secretária de Cultura e Arte da UFSC, Maria de Lourdes Borges, que entrou no clima e participou da oficina de Dança Indiana.

Marcela Borges de Andrade – estagiária de Jornalismo na SeCArte

 Raquel Wandelli – assessora de Comunicação da SeCArte

raquelwandelli@yahoo.com.br

raquelwandelli@reitoria.ufsc.br

99110524 e 37219459

http://secarte.ufsc.br/

Evento propõe mergulho na cultura e arte tibetana

04/05/2011 13:59

De 27 de maio a 4 de junho, a UFSC será sede da II Semana de Cultura e Arte do Tibet, que oferecerá, cursos, palestras, mesas redondas, exposição de filmes e objetos de arte

Florianópolis vai se transformar na capital brasileira da cultura e arte do Tibete entre os dias 27 de maio e 4 de junho. Durante esse período, o Centro de Cultura Tibetana (CCT) realiza, na Universidade Federal de Santa Catarina, a II Semana de Cultura e Arte Tibetana, que oferecerá palestra, curso, exibição de filmes e exposições, entre outros eventos que terão a missão de divulgar a cultura desse país para os brasileiros. Com acesso gratuito a toda população para grande parte das atividades, o evento recebe o apoio da Secretaria de Cultura e Arte e do Núcleo de Estudos Orientais do Centro de Ciências Filosóficas e Humanas.

A cerimônia de abertura, às 18h30 do dia 27, no auditório da Reitoria da UFSC, será marcada pelo início da construção de uma mandala de areia. Monges do Namgyal, do monastério do Dalai Lama nos Estados Unidos, virão pela primeira vez ao Brasil para a realização dessa arte milenar, feita com milhões de grãos de areia coloridos e que representa a impermanência de todas as coisas. Os participantes da Semana poderão acompanhar de perto o processo de produção da mandala durante todos os dias de evento, das 9 às 18 horas. A cerimônia de desmantelamento da mandala ocorrerá no último dia de programações (4 de junho), às 15 horas.
Curso sobre história do Tibete
A programação da II Semana de Cultura e Arte Tibetana inclui o curso Tibete: História, Cultura e Sobrevivência no mundo, entre os dias 27 de maio e 4 de junho, no auditório do prédio da Reitoria da UFSC. Uma participação importante será a de Lama Padma Santem, Lia Diskin do Instituto Palas Athena, Tsewang Phuntso, representante do Dalai Lama, Professor Dr. Robert Barnett da Columbia University em NY, EUA. As sete palestras abordarão temas como história e cultura dessa nação, estratégias de sobrevivência de sua identidade cultural e a defesa dos Direitos Humanos, sempre a partir das 19h30 às 22 horas. No dia 30, haverá a sessão do filme O choro tibetano por liberdade, de Lara Damiani. As inscrições para as 180 vagas devem ser realizadas até o dia 20 de maio, pelo site oficial do evento www.semanatibetana.com.br ou pelo telefone (48) 91494717 ou (48) 88234455. As palestras avulsas custam R$ 40,00 e R$ 10,00 o filme e o pacote com sete palestras mais o filme, R$ 240,00.

Mesa Redonda
No dia 30, às 10 horas, no auditório da Reitoria da UFSC, a mesa redonda sobre o tema Um olhar para dentro: contribuições da Ásia para o mundo atual discutirá a expansão e a influência da cultura asiática nos países do Ocidente, abordando temas como ciência, técnicas contemplativas, estudos da mente e filosofias milenares. Comporão a mesa o Lama Padma Samten, do Centro de Budistas Bodisatva, João Lupi, professor da UFSC, os Monges Joaquim e Gensho, representante do Zen Budismo de Florianópolis, e o professor Reverendo Joaquim Monteiro. Com moderação de Alexandre Vieira, do CCT, a mesa será aberta ao público e gratuita.
Exposições, filmes e palestras
As Thangkas – pinturas religiosas originárias do Tibete repletas de simbologias que budistas usam para representar deuses, deusas, mandalas e figuras históricas – serão destaque de uma das exposições que ocorrem durante a II Semana, no hall do prédio da Reitoria da UFSC e com acesso gratuito. No dia 30, essas pinturas consideradas das mais tradicionais expressões da cultura tibetana estarão expostas para os participantes do evento. Outras duas exposições fotográficas também fazem parte da programação – Fotos variadas da cultura tibetana e The Missing Peace in a Box, que poderão ser visitadas diariamente, das 9 às 22 horas. A primeira coletânea de fotos conta a história do Tibete em imagens de seu próprio povo, enquato The Missing Box foi concebida como uma exposição de artes visuais que viaja o mundo em uma caixa. São 14 pôsteres, doados por artistas famosos e inspirados nos princípios de compaixão do Dalai Lama.

O evento também abrirá aos espectadores a oportunidade gratuita de conhecimento do cinema tibetano com a realização de uma seleção de filmes. No dia 2 de junho, às 15 horas, será exibido Fogo na Neve, do diretor Makoto Sasa. O enredo é a história de Palden Gyatso, monge budista que durante 33 anos sofreu torturas e realizou trabalhos forçados em um cativeiro mantido por chineses. No dia 3 de junho, às 17 horas, será exibida a segunda película: Tibete: O que resta de nós, dirigida por François Prévost e Hugo Latulippe, que conta a história de uma jovem tibetana canadense em sua jornada divulgando um vídeo do Dalai Lama.

Durante a palestra gratuita sobre Arte Budista do Tibete: introdução e perspectivas, no dia 28 de maio, às 14 horas, no auditório da Reitoria, os artistas, o tibetano Ogen Shak e a brasileira H. Gyatso abordarão a relação entre arte, técnica e insight contemplativo.

Banquete tibetano

Na noite do dia 1º de junho, os participantes da II Semana de Cultura e Arte Tibetanas vão conhecer e saborear as iguarias típicas da culinária do país. Um jantar preparado pelo chef e artista Ogen Shak, que terá início às 19h30, no Sítio da Alegria, no Bairro João Paulo, em Florianópolis, oferecerá três tipos de Momos – tradicional pastel cozido no vapor e com diferentes opções de recheio e acompanhamentos –, molhos, arroz de açafrão e uma deliciosa entrada. Além de liderar a equipe que preparará o banquete, Ogen Shak fará uma apresentação de canções típicas do Tibete, com demonstrações multi-instrumentais. Os convites, a R$ 50,00 podem ser adquiridos pelo site www.semanatibetana.com.br ou pelo telefone (48) 91494717.

A programação completa da II Semana de Cultura e Arte Tibetana encontra-se no www.semanatibetana.com.br

SERVIÇO:
Data: de 27 de maio a 4 de junho
Local: Local: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Endereço: Rua Campos Universitário – Trindade – Florianópolis
Entrada franca para as atividades de dia, a noite o Curso será pago. Ver www.semanatibetana.com.br

Contatos para inscrições: 91494717 (Mandhira Dêvi)

Ana Paula: 88234455

Contatos para imprensa: Patrícia Rodrigues e Cerys (91299662).

Assessora de Imprensa
Patrícia Rodrigues 00158/JP
Telefone: (48) 7811-6859 ID 105723*2
Skype: patricia629000

Assessoria de Comunicação da SeCArte
Raquel Wandelli
99110524 e 37219459

Amanhã, sexta, é Dia da Dança na UFSC

28/04/2011 16:29

Em alusão ao Dia Internacional da Dança, 29 de abril, a UFSC terá uma programação inteiramente dedicada a essa arte que, como poetou Cecília Meirelles, atira o corpo em música. Palestra, mesa-redonda, mostras e oficinas sobre diferentes ritmos e modalidades de dança integram o evento promovido pela Secretaria de Cultura e Arte da UFSC (SeCArte) em parceria com o Curso de Artes Cênicas da UFSC.  Jazz, Dança Indiana, Clássica, Moderna, Dança Contemporânea e Danças Circulares são algumas das oficinas abertas e gratuitas à comunidade.
 
No período vespertino, a mesa-redonda, mediada pela professora Vera Torres, abordará o assunto: “Danças e Políticas Públicas: um panorama”. No período da noite, no ginásio de Capoeira, grupos de dança apresentarão suas coreografias, que vão do tango à dança do ventre. Palestra sobre Dance Ability e Projeção de vídeos de dança também estão no cronograma do evento que deve se tornar uma data definitiva no calendário cultural de Florianópolis. “A ideia é que toda comunidade entre na dança”, convida a secretária de Cultura e Arte, Maria de Lourdes Borges.
 
A programação da UFSC foi incorporada pelas atividades planejadas pela Associação Profissional da Dança do Estado de Santa Catarina para o Dia Internacional da Dança no Estado. O objetivo é estimular a prática, o estudo e a pesquisa da dança na comunidade, explica Janaina Trasel Martins, professora do Curso de Artes Cênicas, que coordena o evento ao lado de Luciana Fiamoncini e Vera Torres, ambas professoras do curso de Educação Física. O evento também é uma oportunidade de debater as políticas públicas da área no Estado.
 
Para debater politicamente o tema está prevista a mesa-redonda “Danças e Políticas Públicas: um panorama”, que será realizada das 16 às 18 horas, no auditório do CDS. Participarão como debatedoras Sandra Meyer (professora da Udesc); Marta Cesar (representante da Aprodança); Bárbara Rey (representante no Conselho de Cultura do Estado), sob a mediação da professora Vera Torres (CDS/UFSC). 
 
Gratuitas e abertas ao público, as oficinas ocorrem pela manhã, das 10 às 12 horas, e à tarde, das 14 às 16 horas, nas salas 401, 402 e 403 do curso de Artes Cênicas e na sala de dança do Centro de Desporto. Serão ministradas por professores de dança de Florianópolis e de outros municípios, além de mestrandos e grupos de pesquisa em práticas corporais e dança da UFSC. O evento encerra em grand final com a Mostra de Dança a partir das 20 horas no Ginásio da Capoeira, no CDS, quando o público poderá desfrutar de um momento de excelência e Integração entre as experimentações dos cursos de artes cênicas e as práticas corporais de dança da Educação Física.

O Dia Internacional da Dança  foi criado em 1982 pelo Comitê Internacional da Dança da UNESCO e é promovido anualmente pelo Conselho Internacional de Dança (CID). A data é uma homenagem ao nascimento do bailarino e mestre francês Jean-Georges Noverre (1727 – 1810), responsável pela introdução de novos paradigmas de criação coreográfica.
 
 
Contatos:
dia.da.danca.ufsc@gmail.com
fones: 37216543 e 99752424
3721.68.01
 
Raquel Wandelli
Assessora de comunicação UFSC/SeCArte
99110524 e 37219459
raquelwandelli@yahoo.com.br
raquelwandelli@reitoria.ufsc.br
www.secarte.ufsc.br

Obra defende a construção de cenários de futuro para a educação

26/04/2011 15:41

Se o mundo contemporâneo vive a era das incertezas, não são elas que governam as ações humanas: é preciso antever o futuro e estabelecer estratégias para superar desafios e alcançar objetivos. A prospecção ou os estudos do futuro, largamente aplicados na área produtiva, podem ser muito eficazes também no campo da educação e da gestão do conhecimento, no sentido de colocar as instituições de ensino à frente do seu tempo. É o que demonstra o educador Juares da Silva Thiesen, que lança, às 19 horas de quarta-feira, dia 27 de abril, na livraria Livros & Livros, no Centro de Florianópolis, o livro O Futuro da Educação – Contribuições da Gestão do Conhecimento, pela Papirus Editora.
 
Professor do Centro de Ciências da Educação e doutor em Ciências Pedagógicas e em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela UFSC, Thiesen convida a pensar e planejar estrategicamente a educação para os próximos 20 ou 30 anos. De forma inédita, o livro traz para a educação a possibilidade de prospectar e analisar cenários de futuro, uma ferramenta de planejamento estratégico largamente utilizada em outras áreas, mas que precisava ser desenvolvida considerando as especificidades desse campo do saber, como explica Thiesen.
 
A metodologia para a construção de cenários prospectivos já é relativamente conhecida no mundo das empresas privadas e das organizações estatais que lidam com atividade produtiva. “Vem sendo utilizada de modo crescente no Brasil, auxiliando organizações na tomada de decisão e na formulação de planejamentos de médio e longo prazo”, explica Thiesen, que já foi diretor de escola, coordenador de Gerência Regional de Ensino e ocupou o cargo de diretor de Educação Básica da Secretaria de Estado da Educação.
 
Resultado de três anos de estudos do autor, o livro apresenta uma metodologia passível de ser aplicada em qualquer sistema de educação, seja ele federal, estadual ou municipal. Partindo de uma base teórica interdisciplinar, com evidência para autores como o teórico francês da administração Michael Godet e o brasileiro Milton Santos, entrecruza filosofia, pedagogia, administração e outras áreas. Em sua obra, lançada com apoio da Secretaria de Cultura e Arte, Thiesen convida a fazer do presente um laboratório de experimentação de futuros possíveis para que a educação seja capaz de dar resposta aos desafios da sociedade contemporânea.

Raquel Wandelli
raquelwandelli@yahoo.com.br
raquelwandelli@reitoria.ufsc.br
assessora de Comunicação da SeCArte
99110524 e 37219459

No dia 29, a UFSC vai entrar na dança

20/04/2011 17:28

 Dança moderna e contemporânea, danças circulares, dança do ventre, tango, jazz, dança indiana, ballet clássico, maracatu. Pela primeira vez a UFSC terá, em 29 de abril, quando se comemora o Dia Internacional da Dança, um dia inteiramente dedicado a essa arte do corpo e do movimento que como escreveu Cecília Meirelles, rompe os elos de espaço e tempo. A iniciativa da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC (SeCArte) em parceria com o Curso de Artes Cênicas da UFSC prevê mostras de diversos ritmos de dança, mesa-redonda, palestras e oficinas das mais diferentes modalidades.

A programação da UFSC foi incorporada pelas atividades planejadas pela Associação Profissional da Dança do Estado de Santa Catarina para o Dia Internacional da Dança no Estado. O objetivo é estimular a prática, o estudo e a pesquisa da dança na comunidade, explica a secretaria de Cultura e Arte, Maria de Lourdes Borges. O evento também é uma oportunidade de debater as políticas públicas da área no Estado, acentua Janaina Trasel Martins, professora do Curso de Artes Cênicas, que coordena o evento ao lado de Luciana Fiamoncini e Vera Torres, ambas professoras do curso de Educação Física.

 Para debater o tema politicamente está prevista a mesa-redonda “Danças e Políticas Públicas: um panorama”, que será realizada das 16 às 18 horas, no auditório do CDS. Participarão como debatedoras Sandra Meyer (professora da Udesc); Marta Cesar (representante da Aprodança); Bárbara Rey (representante no Conselho de Cultura do Estado), sob a mediação da professora Vera Torres (CDS/UFSC). 

Gratuitas e abertas ao público, as oficinas ocorrem pela manhã, das 10 às 12 horas, e à tarde, das 14 às 16 horas, nas salas 401, 402 e 403 do curso de Artes Cênicas e na sala de dança do Centro de Desporto. Serão ministradas por professores de dança de Florianópolis e de outros municípios, além de mestrandos e grupos de pesquisa em práticas corporais e dança da UFSC. O evento encerra em grand final com a Mostra de Dança a partir das 20 horas no Ginásio da Capoeira, no CDS, quando o público poderá desfrutar de um momento de excelência e Integração entre as experimentações dos cursos de artes cênicas e as práticas corporais de dança da Educação Física.

O Dia Internacional da Dança  foi criado em 1982 pelo Comitê Internacional da Dança da UNESCO e é promovido anualmente pelo Conselho Internacional de Dança (CID). A data é uma homenagem ao nascimento do bailarino e mestre francês Jean-Georges Noverre (1727 – 1810), responsável pela introdução de novos paradigmas de criação coreográfica.

DIA DA DANÇA NA UFSC

29 de abril

 OFICINAS GRATUITAS PARA A COMUNIDADE:

Inscrições para dançar ate o dia 28 de abril pelo email: dia.da.danca.ufsc@gmail.com

 Oficinas do turno da manhã – 10 as 12 h

 Oficina: Improvisação performativa em dança

Ministrante: Silmar P.

Local: Sala Artes Cênicas – 401 CFM

Horário: 10 às 12 horas  

 Esta oficina busca um momento de relaxamento do participante, seu corpo-mente, conectando com as funções essenciais para a realização do movimento: respiração, alongamento, ritmo, contração, presença e consciência da biomecânica. Através de jogos e vivencias vamos explorar o corpo que dança como impulso a pratica livre do movimento que associado ao trabalho em grupo proporcionara a experiência da ação performática nas artes.

Oficina: Introdução a Dança Indiana Clássica e Moderna

Ministrantes: Grupo Padma – Adriane Martins; Bethânia Negreiros; Karla Mara Rosa Sherer; Mádhava Keli (Maria Clara S. Tavares). Auxiliares: Maria Lidia Pereira; Laise Orsi Becker.  Coordenação geral: Profª Cristiane Ker de Melo

Local: Sala Artes Cênicas – 402 CFM

Horário: 10 às 12 horas

 Esta oficina pretende, por meio de exposição teórica, explicar sobre as variações e estilos de danças na Índia; expressões e gestos e o contexto musical e o papel da dança no cinema indiano. Após, será feita a parte prática com um aquecimento, exercícios de expressão e consciência corporal; Técnicas de alguns movimentos na dança indiana; Introdução a passos básicos da dança indiana (moderna e clássica); Movimentos com as mãos e braços, movimentos com os pés, movimentos da cabeça, giros.

Oficina: Jazz Dance

Ministrante: Leandro Ávila

Local: Sala Artes Cênicas – 403 CFM

Horário: 10 às 12 horas

 Objetivos da oficina: Descobrir uma nova tendência no Jazz Dance; Abordar questões que entendam os fundamentos para esta modalidade; Experimentar movimentos; Experimentar alongamentos coreografados, que busquem contribuir nesta essência artística da modalidade.

 Oficinas ao meio-dia.

 Oficina: Introdução a Dança do Ventre Clássica e Folclórica

Ministrantes: Shayene Fernandes e Naiade Schardosin. Auxiliares: Rebeca Körting Nunes; Juliana de Campos Luiz; Paula Aragão. Coordenação geral: Profª Cristiane Ker de Melo

Local: Sala Artes Cênicas – 403 CFM

Horário: das 12 às 14 horas  

 Esta oficina seguirá dois momentos, que se complementam, por trazer uma noção mais ampla da cultura árabe, com enfoque especial para a Dança. O primeiro com os movimentos básicos de dança do ventre: Postura inicial; Posições e movimentos de braços e quadril mais utilizados; Movimentos ondulatórios, sinuosos e secos, dançando e interagindo com a música; E em um segundo momento, uma introdução aos movimentos e ritmos folclóricos da dança árabe: Khallige (dança com a túnica) e Said (utilizando as bengalas e bastões de bambu), ritmos próprios de determinadas regiões do Oriente Médio.

 Oficina: Yoga e Dança Espontânea

Ministrante: Karin Maria Véras

Local: Sala Artes Cênicas – 401 CFM

Horário: das 12 às 14 horas  

 Trazer os princípios do yoga como start para uma movimentação consciente e espontânea é o pressuposto desta Oficina. Baseada na metodologia do dançarino alemão Rolf Gelewski – precursor do yoga integral e da dança espontânea no Brasil – iniciaremos com a prática de posturas psico-fisicas do yoga preparando o corpo para dançar. Em seguida serão utilizados exercícios de concentração com música, compondo com exercícios de formas – para conscientizar as possibilidades da plasticidade corporal, exercícios de espaço – explorando a utilização consciente de movimentação no espaço, e finalizando com improvisações a partir de música, da palavra-poesia e do silêncio. Consciência, Concentração, Criatividade e Sinceridade são as diretrizes desse trabalho que convida dançarinos e (não) dançarinos a se reunirem em torno desta vivência em dança.

Oficina: Dança de salão para todos

Ministrantes: Alexandre Azevedo, Victor Carvalho Kessler e Clariana Sommacal

Local: Sala de dança B – CDS/UFSC.

Horário: das 12 às 14 horas  

 Vivencia prática de dança de salão para iniciantes, enfatizando a acessibilidade da dança a qualquer praticante. O ritmo escolhido para vivência na aula será o samba de gafieira.

 Oficinas do turno da tarde.

 Oficina: Danças Circulares

Ministrante: Ana Paula Chaves e Patrícia Guerrero

Local: Sala Artes Cênicas – 401 CFM

Horário: das 14 ás 16 horas

 As Danças Circulares são praticadas em grupo e englobam diversos ritmos, cantos e danças de povos e culturas do mundo. Através dos passos em círculo, nós nos socializamos, nos integramos, nos descontraímos, nos alegramos, e, sobretudo, a dança nos permite encontrar com a nossa essência e nos desperta o sentimento de comunhão. Sendo assim, essa oficina busca: Vivenciar danças tradicionais de diferentes povos no intuito de propiciar ao grupo o desenvolvimento afetivo, cognitivo, social e psicomotor; Vivenciar danças contemporâneas, danças dos Florais de Bach e danças cantadas, incluindo as cantigas e danças de roda brasileiras;Desenvolver as capacidades expressivas e criativas dos participantes; Aprofundar o diálogo entre a educação e a saúde através de uma prática e um movimento coletivo, sensível e simbólico.

Oficina: A tridimensão do quadril na Dança do Ventre

Ministrante: Adriana Cunha

Local: Sala Artes Cênicas – 402 CFM

Horário: das 14 às 16 horas

 No improviso, compreender a mobilidade do quadril em termos de possibilidades de movimento é um lugar seguro para que a/o dançarina/o possa desenvolver habilidades pertinentes durante o processo de criação. A Tridimensão do quadril é um método simples e eficaz nesta compreensão, que se utiliza de figuras para exemplificar os eixos básicos e ações aplicadas para obter resultados. Não é necessário ser dançarina/o para desfrutar da oficina.

 Oficina: Introdução ao Tango Dança

Ministrantes: Fransley Marcel Padilha e Laura Murphy. AUXILIARES: Julieta Furtado Camargo; Juliana Carboni; Letícia Maurício. Coordenação geral: Profª Cristiane Ker de Melo.

Local: Sala Artes Cênicas – 403 CFM

Horário: das 14 às 16 horas

 Através de jogos lúdicos, exercícios de improvisação ao Tango e do método Dinzel de notação coreográfica, construiremos juntos uma introdução, apresentação e vivência em Tango. Na oficina será desenvolvido: breve posicionamento histórico, Passo básico, noções sobre o abraço, dinâmicas de grupo, figuras de introdução e improvisação em Tango. Público-alvo: Homens e Mulheres com ou sem experiência em dança, que tenham curiosidade e interesse em conhecer e vivenciar esta arte.

 Oficina: Dança Contemporânea

Ministrante: Leandro Ávila

Local: Sala Dança B – CDS

Horário: das 14 às 16 horas

 Justificar a oficina como momento reflexivo das movimentas estimuladas, uma conscientização pensante, assim buscar a dança como uma experiência que desenvolve uma capacidade de percepção do mundo em nossa vivencia, tornando capaz de vivenciá-las, refleti-las e recriá-las especificamente na Dança Contemporânea.  A oficina propõem redescobrir através da Dança Contemporânea a riqueza do tra­balho de movimento que aproveita a singularidade dos movimentos de cada pessoa, oferecendo meios nas tarefas e no movimento a priori, para o encontro das possibilidades de cada corpo para a dança, promovendo assim a improvisação e a criatividade, na qual uma das motivações da oficina é dançar e pensar na espontaneidade, colando como fundamento perceptivo na oficina.

 MESA-REDONDA: Danças e Politicas Publicas: um panorama

Horário: 16 às 18 horas

Local: auditório do CDS

Mediadora: Vera Torres (CDS/UFSC).  

Debatedoras: Sandra Meyer (UDESC); Marta Cesar (APRODANÇA); Bárbara Rey (Representante no Conselho de Cultura do Estado) Local: Auditório do CDS 

PALESTRA: Dance Ability

Horário: 18:30 às 19:30

Local: auditório do CDS

Ana Luisa Ciscato, Ana Alonso, Pedro Pinheiro e representantes do DanceAbility Brasil.

 Apresentação com vídeo e conversa sobre DanceAbility. Um método de dança criado por Alito Alessi em 1984. Utiliza a improvisação de movimento para promover a exploração artística entre pessoas com e sem deficiência

PROJEÇÃO DE VIDEOS DE DANÇA

Horário: 18:30 às 19:30

Local: Sala dança B – CDS

MOSTRA DE DANÇA (Retirada da  senha às 19h no local – capacidade do ginásio: 50 lugares)

Entrada gratuita

Local: Ginásio da Capoeira – CDS

Horário: 20 horas

Apresentações:

Quando nós somos você (título do espetáculo)

Grupo de Dança Fazendo Corpo Mole. Grupo do CDS

Direção: Luciana Fiamoncini, Vera Pardo e Julia Terra. 

Interpretes-criadoras: Vera Pardo, Luciana Fiamoncini, Julia Terra e Priscila

Duração: aproximadamente 30 minutos

Um Duplo

Direção: Diana Gilardenghi. Assistente de Direção, Produção: Marta Cesar.

Intérpretes-criadoras: Michelle Pereira; Nastaja Brehsan

Duração: aproximadamente 15 minutos.

Belly Fuzion

Nome do grupo: Flores do Nilo

Direção: Julieta Furtado

Dançarinas: Lis Madhava, Záira Rodrigues, Meg Kleist, Juliana Carboni, Julieta Furtado, Alexsandra Borges, Rosangela Martins, Taiana Grando, Cíntia Vilanova e Juliana Luiz.

Coreografias: Belly Jazz; Mandacarú e Sakura Fubuki.

Duração: aproximadamente 18 minutos

Solo (Dança do Ventre)

Coreografia: Baladi Yasmin

Bailarina/Coreógrafa: Melody Lima Scarlato

Duração: aproximadamente 06 minutos

DIA DA DANÇA NA UFSC

PROMOÇÃO: SECRETARIA DE ARTE E CULTURA

ORGANIZAÇÃO: Professoras:  Janaina Trasel Martins (Artes Cênicas/CCE), Luciana Fiamoncini (Ed. Física/CDS), Vera Torres (Ed. Física/CDS)

Museu em curso discute experiências de acessibilidade

20/04/2011 16:43

 A questão da acessibilidade de pessoas com deficiência em museus e instituições culturais está em foco na quinta palestra do projeto Museu em Curso. No dia 26 de abril, das 16 às 18 horas, no auditório do Museu Universitário Osvaldo Rodrigues Cabral, a educadora de museus Amanda da Fonseca Tojal abordará o tema “Museu e Acessibilidade”, tendo em vista a implementação da Política de Acessibilidade na UFSC e no Museu Universitário. Coordenadora do “Programa Educativo Públicos Especiais”, da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Amanda falará sobre as experiências com ações educativas inclusivas desenvolvidas na sua instituição.   

 
O evento servirá como subsídio para a adoção de procedimentos inclusivos e de acessibilidade no Museu Universitário, conforme explica a diretora Teresa Fossari. “A equipe tem uma grande preocupação com a inclusão de pessoas com deficiência, tanto no projeto expográfico, como no projeto arquitetônico do novo prédio”. Por isso, o Museu em Curso convidou uma pesquisadora experiente na área para assessorar na definição de um programa educativo voltado a públicos visitantes especiais. Também foi convidada a participar do debate a assistente social Corina Espíndola, coordenadora do Programa de Implementação da Política Universal de Acessibilidade na UFSC, que foi oficializado em dezembro do ano passado, com a criação do Comitê de Acessibilidade, vinculado à Pró-Reitoria de Ensino de Graduação.
Desde a sua concepção, a proposta arquitetônica da nova sede do MU prevê rampas de acesso para cadeirantes e piso tátil para portadores de deficiência visual. Diversos recursos vão facilitar a circulação pelos corredores internos e fruição dos acervos expostos a pessoas com necessidades especiais. Incluem-se aí legendas e textos em Braille, pisos táteis marcando o percurso da exposição, áudio-guia e intérprete da língua dos sinais, regulação da altura das vitrines e dos textos de apoio para ficarem ao alcance de cadeirantes, maquetes táteis, áudios-visuais com legenda, entre outros. No caso de pessoas com dupla deficiência, como os surdos-cegos, Corina lembra que será necessário adotar guias-intérpretes capacitados para escrever as mensagens na mão do visitante ou manipular os seus dedos para produzir os sinais de Libras.
Promover a formação de profissionais da área e proporcionar a discussão sobre temas relativos aos museus é o objetivo do projeto Museu em Curso, uma realização da Secretaria de Cultura e Arte e Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral, em parceria com a Associação dos Amigos do Museu Universitário. A cada mês, o projeto realiza uma palestra voltada para as diversas áreas da teoria e da prática museológica. Os participantes do evento receberão certificados.
A palestrante:
Amanda Pinto da Fonseca Tojal concluiu o doutorado em Ciências da Informação pela Escola de Comunicações e Artes da USP, o mestrado em Artes pela ECA-USP, a especialização em Museologia pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo e o Curso Superior em Licenciatura em Educação Artística pela Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP). Além do programa educativo para públicos especiais, coordena na Pinacoteca de São Paulo o curso de extensão cultural “Ensino da arte na educação especial e inclusiva”. Presta atualmente consultorias em acessibilidade e ação educativa inclusiva em museus e instituições culturais.

Serviço:
O quê: Museu em curso, palestra com Amada Tojal
Quando: 26 de abril de 2011, das 16h às 18h
Onde: Auditório do Museu Universitário
Quanto: Entrada franca
Informações: 48 3721-8604 ou 9325
e-mail: ufsc.mu.museologia@gmail.com
.
Assessoria de Comunicação UFSC/SeCArte
www.secarte.ufsc.br
37219459 e 99110524
raquelwandelli@reitoria.ufsc.br
raquelwandelli@yahoo.com.br

Giba Brasil conversa com público sobre A Antropóloga

19/04/2011 16:34

Professores e alunos dos cursos de cinema da Universidade Federal de Santa Catarina e da Unisul vão transferir suas aulas no próximo dia 26 para o Teatro da UFSC. Eles participam, às 14 horas, de uma conversa com o montador Giba Assis Brasil, que vai conversar com o público interessado sobre o processo de montagem à distância do filme A antropóloga, do cineasta Zeca Nunes Pires, nas vésperas do seu lançamento. O longametragem estreia no dia 29 de abril em todos os cinemas de Florianópolis.
Farão parte da conversa, aberta à comunidade em geral, o  professor do Curso de Cinema da UFSC, Felipe Soares e o assistente de montagem em Florianópolis, Tiago Santos.  Vencedora do edital da Fundação Catarinense de Cultura de 2003, a produção da obra recebeu o apoio da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC e consultoria de diversos setores da universidade, inclusive com participação de alunos e professores.
Um dos fundadores da Casa de Cinema de Porto Alegre, Giba montou mais de 40 filmes, entre eles Decamerão (da Globo), Saneamento básico, Meu tio matou um cara, O homem que copiava, Tolerância, Ilha das Flores e Verdes anos. Foi premiado como montador em vários festivais, incluindo Gramado e Brasília. Veja em http://www.imdb.com/name/nm0039856/.
No enredo do longa, a protagonista Malu (Larissa Bracher), antropóloga açoriana, revive em clima de suspense os mistérios da cultura popular da Ilha. Através do olhar de Malu a Costa da Lagoa se transforma em cenário de experiências iniciáticas emocionantes, que revelam um mundo oculto do sagrado e da magia. O enredo de A Antropóloga é também uma homenagem às tradições populares de Florianópolis.
A obra do artista plástico, historiador e pesquisador Franklin Cascaes, abrigada no Museu Universitário Osvaldo Rodrigues Cabral, inspira o eixo central da trama que envolve Malu em surpreendentes descobertas. Giba Assis Brasil, da Casa de Cinema de Porto Alegre assina a montagem, Silvia Beraldo responde pela criação da música original e Maria Emília de Azevedo a Produção Executiva. O roteiro foi criado por Tânia Lamarca e Sandra Nebelung, a partir de um argumento de Tabajara Ruas.
O quê: conversa com Giba Brasil e Zeca Pires
Onde: Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha
Quando: dia 26, às 14 horas
Assessoria de Comunicação UFSC/SeCArte
raquelwandelli@reitoria.ufsc.br
raquelwandelli@yahoo.com.br

Área da cultura ganha novos representantes no Conselho Estadual

19/04/2011 16:30

O historiador e folclorista Franciso do Vale Pereira, coordenador do Núcleo de Estudos Museológicos da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC é o novo representante da área de folclore no Conselho Estadual de Cultura. Junto com Francisco, outros 20 representantes do setor cultural foram nomeados para as mais diversas áreas (artes, teatro, letras, literatura, música, cinema, dança, patrimônio histórico e geográfico). A solenidade de posse ocorrerá no dia 28 de abril, às 11 horas, no auditório da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte.

Os novos conselheiros, indicados pelo Governo do Estado e pelas entidades culturais e universidades em sistema de composição paritária, foram nomeados por dois anos em ato assinado pelo governador Raimundo Colombo em 4 de abril de 2011. “A importância de assumir esse cargo está principalmente em poder participar das decisões do Conselho, contribuir para achar caminhos e soluções e fazer a cultura ser uma área reconhecida pelo Governo do Estado. Acredito que quanto mais o governo apoiar as iniciativas culturais, maior será a contribuição para a formação da cidadania”, ressalta Francisco.

Novos conselheiros:

Indicação do Governo do Estado

MARLY ELIZABETH BENEDET GARCIA – Presidente (artes)

NEILA MARIA BALÚ (artes)

ADRIANO DUTRA (teatro)

JAIRO ALVIM BARBOSA (letras e música)

ANDREA MARQUES DAL GRANDE (patrimônio histórico)

LUIZ EDUARDO CAMINHA (escritor e jornalista)

LUIZ CARLOS LAUS (música)

ALCIDES BUSS (letras e editor)

MARCO ANSELMO VASQUES (letras e teatro)

CRISTIANO MOREIRA (poeta)

Membros Indicados pelas Entidades Culturais

BETINA ADAMS, representante dos profissionais de conservação e restauração do patrimônio histórico;

JEFERSON LUIZ DE LIMA, representante dos profissionais da área de cinema;

ELISANGELA JAWORSKI, representante dos profissionais da área de dança;

LUCIANO CAVICHIOLLI, representante dos profissionais da área de teatro;

FRANCISCO DO VALLE PEREIRA, representante da área de folclore;

SEBASTIÃO CARLOS DE ANDRADE MACHADO, representante da área de música;

AUGUSTO CESAR ZEFERINO, representante da área de patrimônio histórico e geográfico;

JÚLIO DE QUEIROZ, representante dos escritores;

HILÁRIO FRED VOIGT, representante dos artistas plásticos;

ADRIANA DURANTE, representante dos profissionais educadores de arte.

Florianópolis promove almoço em solidariedade às vítimas no Japão

15/04/2011 08:45

Pouco mais de um mês após a maior tragédia natural da história do Japão, milhares de pessoas continuam desabrigadas e precisando de toda ajuda possível. A Associação Nipo-Catarinense, com o apoio de diversas entidades públicas e privadas organiza no dia 17 de abril um almoço solidário que vai reverter os recursos para uma das regiões mais afetadas pelo terremoto e pelo tsunami, a província de Aomori, estado-irmão de Santa Catarina.
O almoço ‘Gambarê Nippon’ (Força Japão) será no Lagoa Iate Clube, a partir das 11 horas e vai apresentar várias atividades culturais japonesas e um almoço com yakissoba (água e refrigerante incluídos) por um convite a R$ 50. A venda está sendo feita na sede da Associação Nipo Catarinense (avenida Hercílio Luz, 639, sala 906 – 3225-8746) e também na CDL de Florianópolis (rua Felipe Schmidt, 679, centro – 3229-7000).
Considerado um dos principais centros agrícolas e portuários do Japão, Aomori conta com a solidariedade dos catarinenses para tentar voltar à normalidade. Na UFSC, os ingressos estão sendo vendidos na Secretaria de Cultura e Arte e no Departamento Artístico Cultural.

Contatos: 37219403 (com Jucélia)