Última semana da Feira de livros da UFSC prevê mais lançamentos

31/03/2011 16:04

Prossegue até o final da próxima semana (8/4), na Praça da Cidadania da UFSC, a Feira de Livros da Editora da UFSC/LEU que oferece com descontos muito vantajosos 8.200 mil volumes de suas antigas e novas coleções. Para a última semana estão previstos os lançamentos de livros de autores de projeção internacional, como Linda Hutcheon, Paul Claval e Shakespeare. Aberta no dia 15 de março, a Feira está oferecendo com descontos vantajosos à comunidade obras fundamentais como o clássico “Farmacognosia”, de diversos pesquisadores brasileiros e estrangeiros, e “A Coisa Perdida: Agamben comenta Caproni”, organizado e traduzido do italiano por Aurora Bernardini.

Funcionando das 9 às 19 horas, exceto aos sábados e domingos, em uma tenda climatizada na Praça da Cidadania, a exposição comercializa livros com descontos entre 15 e 70% para a comunidade universitária e público em geral. Os títulos cobrem diversos campos do conhecimento, da cultura e da arte. Fazem parte das prateleiras os melhores títulos e lançamentos de algumas das editoras universitárias de destaque do país que integram a LEU, como a EdUSP, Ed. da UFMG e da Unicamp.

Na próxima semana, a EdUFSC lançará na feira “Epistemologia da Geografia”, uma obra definitiva de um dos maiores geógrafos da atualidade, o francês Paul Claval. A mostra será encerrada com o aguardado estudo “Uma Teoria da Adaptação”, da ensaísta canadense Linda Hutcheon, uma das maiores especialistas da atualidade em cultura globalizada e pós-modernismo. Entre outras grandes novidades da Editora da UFSC estão “Do jeito que Você Gosta”, de Shakespeare, e “Corpo e Performances”, de Stephan Arnulf Baumgärtel, um estudo sobre as montagens dessa mesma peça, um clássico do século XX.  Todas essas obras são inéditas e de edição própria.

Um dos destaques da nova safra de títulos da UFSC é o segundo volume da antologia do mestre catarinense do conto Silveira de Souza, sob o título “Ecos no Porão II”, que foi lançado no dia 22 de março como parte das comemorações do aniversário da cidade e está sendo inscrito nos Prêmios Jabuti e Brasil Telecom de Literatura como o melhor livro de contos do ano.  “A feira não é mais uma queima de estoque, mas uma oportunidade de adquirir obras fundamentais com preços muito abaixo do mercado”, explica o diretor da EdUFSC, Sérgio Medeiros. Além dessas obras, a Editora está colocando à disposição do leitor, nesse espaço, praticamente todos os títulos do seu catálogo.

Lançamentos da EdUFSC à venda na Feira:

  • Ética das virtudes – JOÃO HOBUSS (ORGANIZADOR)
  • A coisa perdida – AURORA FORNONI BERNARDINI (ORGANIZAÇÃO E TRADUÇÃO)
  • A decadência de Santa Catarina – HENRIQUE LUIZ PEREIRA OLIVEIRA • MARLON SALOMON
  • Fundamentação filosófica – GIOVANI LUNARDI • MÁRCIO SECCO
  • Redes locais – MARCELO RICARDO STEMMER
  • Georges Bataille – FRANCO RELLA • SUSANNA MATI
  • Desgostos; novas tendências estéticas – MARIO PERNIOLA
  • 4 poetas da Catalúnia – LUIS SOLER (ORG.)
  • 28 desaforismos –  FRANZ KAFKA –  SILVEIRA DE SOUZA (TRADUÇÃO)
  • Ecos do porão vol 1 – SILVEIRA DE SOUZA
  • Educação do corpo em ambientes educacionais – FÁBIO MACHADO PINTO • ALEXANDRE FERNANDEZ VAZ • DEBORAH THOMÉ SAYÃO  (ORGANIZADORES)
  • Discussão de novos paradigmas –  JAIME COFRE • KAY SAALFELD (ORGANIZADORES)
  • Uma adaptação – LINDA HUTCHEON

Raquel Wandelli, jornalista na SeCArte
(048) 37219459 e 99110524
raquelwandelli@yahoo.com.br  e  raquelwandelli@ufsc.br

ANTROPÓLOGO MASSIMO CANEVACCI FALA SOBRE MUSEU NO SÉCULO XXI

30/03/2011 15:11

O antropólogo italiano Massimo Canevacci abre, na terça-feira, 29, o primeiro evento do ciclo de debates O Pensamento no Século XXI e da série Museu em Curso deste ano. A conferência “O Museu no Século XXI” ocorrerá das 16 às 18 horas, no auditório do Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral, na UFSC, em parceria com a Secretaria de Cultura e Arte da UFSC, Pró-Reitora de Pós-Graduação e Associação dos Amigos do Museu. Professor da Facultade Scienze della Comunicazione “La Sapienza”, de Roma, e professor visitante da UFSC, Canevacci abordará as possibilidades de apropriação das tecnologias digitais na representação da cultura urbana e na arquitetura contemporânea, Referência internacional na área de comunicação museal, Canevacci atua desde 1984 no Brasil como pesquisador convidado para desenvolver pesquisas, conferências e cursos em universidades. Sua pesquisa, orientação didática e publicações se desenvolvem em torno da comunicação visual, arte digital, etnografia urbana e indígena, culturas da juventude, antropologia teórica e trocas entre antropologia e outras áreas do conhecimento. Atualmente coordena o projeto Carpe-Code, sobre metrópole comunicacional, design expandido, etnografia ubíqua e realidade aumentada.

Autor de A cidade polifônica, da Studio Nobel (1993), considerada uma obra fundamental para compreender a antropologia urbana através da mídia e da arquitetura, Canevacci dirigiu até 2001 a revista Avatar de etnografia, comunicação e arte visuais. Também publicou Comunicação Visual, pela Brasiliense, Fetichismos Visuais, da Ed. Atelier, Sincretismos; uma exploração das hibridações culturais, da Studio Nobel e Culturas Extremas, da DpA. Em processo de tradução no Brasil pela editora Annablume, escreveu La linea di polvere, publicado em Roma pela Meltemi (2007), como fruto de pesquisa que realizou sobre a cultura dos índios Bororo.

Os projetos O Ciclo Pensamento no Século XXI e Museu em Curso foram concentrados em torno dessa conferência para evidenciar os desafios das instituições museológicas hoje. Vivemos um tempo em que as mídias e as identidades se multiplicam e modificam o espaço urbano, de modo que os registros de memória e de cultura precisam levar em conta processos de identidade cada vez mais sazonais e fragmentados, lembra a secretária de Cultura e Arte Maria de Lourdes Borges. Na continuidade do projeto Museu em Curso, a cada mês, será realizada uma palestra voltada para as diversas áreas da teoria e da prática museológica.

Serviço:

O quê: Museu em curso, palestra com Massimo Canevacci

Quando: 29 de março, das 16h às 18h

Onde: Auditório do Museu Universitário da UFSC

Quanto: Entrada franca

Informações: 48 3721-8604 ou 9325

e-mail: ufsc.mu.museologia@gmail.com

Serão fornecidos certificados

Divisão de Museologia

Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral – UFSC

Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima – Trindade – CEP 88.040-900 – Florianópolis – Santa Catarina – Brasil
Telefones: 48 3721-8604 / 6473 / 9325

Raquel Wandelli, jornalista na SeCArte

(048) 37219459 e 99110524

raquelwandelli@yahoo.com.br

raquelwandelli@ufsc.br

Oficinas de Teatro do Departamento Artístico Cultural abrem inscrições

29/03/2011 15:53
Duas oficinas de Teatro para adultos, oferecidas pelo Departamento Artístico Cultural (DAC) da UFSC, abrem inscrições para receber novos candidatos.
Para a “Oficina Permanente de Teatro” (OPT), os interessados deverão comparecer para entrevista de seleção na terça-feira, 29/03, às 20 horas, no Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha. Após ser confirmado pela coordenação, o candidato deverá recolher no banco a taxa de inscrição semestral de R$ 50,00.
Para a oficina “Projeto Experimentos Cênicos em Teatro”, os interessados devem se dirigir ao Departamento Artístico Cultural (DAC), no Teatro da UFSC, e fazerem a sua inscrição. A taxa de inscrição semestral, a ser recolhida no banco, é de R$ 50,00.
Nos moldes do ano passado, a UFSC está com edital aberto para oferecer mais oficinas de Arte para toda à comunidade, ampliando as áreas de linguagens artísticas. Fique atento à divulgação das notícias em www.dac.ufsc.br e www.ufsc.br. Sobre o edital veja www.ufsc.br/cpl
OFICINA PERMANENTE DE TEATRO – OPT
Inscrição mediante entrevista no dia 29 de março, terça-feira, às 20:00 horas, no Teatro da UFSC. Taxa: R$ 50,00, após confirmação na entrevista.
A Oficina Permanente de Teatro – OPT, vinculada ao Departamento Artístico Cultural da UFSC, vem sendo realizada há mais de três décadas e tem por objetivo uma vivência na área das Artes Cênicas compreendendo o estudo teórico e a vivência teatral. Possui uma grade disciplinar básica em que se desenvolve a metodologia “de como ser para representar ou ser”. A cada turma, dependendo da vocação do grupo aí formado, ela realiza o processo de montagem seguindo a tendência natural do grupo. Esta vivência poderá ser de Teatro de Rua, de Mímica, de montagem dos Clássicos. Depois desta etapa, os alunos, que de fato sintonizam sua vocação, podem integrar o elenco do Grupo Pesquisa Teatro Novo da UFSC. A oficina e o grupo são coordenados por Camen Fossari.
A Oficina Permanente de Teatro realiza suas atividades na formação do ator/cidadão e possibilita o registro do ator/atriz.
Horário:
A OPT acontece à noite. A turma com integrantes antigos se reúne nas segundas e quartas-feiras; a turma com alunos novos, nas terças e quintas-feiras.
Sobre a coordenadora:
Carmen Fossari é Mestre em Literatura Brasileira, pela UFSC, com opção em Teatro. Diretora de Espetáculos do DAC – Departamento Artístico Cultural da UFSC. Coordenadora e professora da Oficina Permanente de Teatro da UFSC. Diretora e fundadora do Grupo Pesquisa Teatro Novo/UFSC. Nessa categoria, recebeu inúmeros prêmios estaduais e nacionais, bem como representou o Brasil com espetáculos que dirigiu, escreveu e atuou nos seguintes países: Porto Rico, México, Paraguai, Argentina, Chile,Colômbia e Portugal. Esteve com espetáculos no Chile por sete vezes, onde mantém convênio através do GPTN/UFSC com a “Cia. La Carreta” que coordena, naquele país, o ENTEPOLA – Encontro de Teatro Popular Latino Americano. Participou de três Projetos “Mambembão”, no Rio de Janeiro e em São Paulo, com os espetáculos “Mesa Grande” e “Terra de Terrara”, obras que dirigiu e atuou, numa promoção do Serviço Nacional de Teatro, RJ (duas temporadas no Rio de Janeiro e em São Paulo, e um Curso de Direção Teatral, integrante do Projeto, ministrado pelos melhores diretores de Teatro do Brasil). Coordenou o 1º ENTEPOLA do Brasil, na cidade de Florianópolis, em 1996, com a participação de 280 artistas das Américas e de outros Continentes. Dramaturga, recebeu prêmios nacionais pelos textos “Terra de Terrara” e “Engenho Engendrado” (ambos de pesquisa lingüística e cultural das Comunidades Açorianas). Dirigiu e produziu mais de 60 peças teatrais nas categorias de Teatro Adulto, Infantil de Títeres e de Rua.
OFICINA PROJETO EXPERIMENTOS CÊNICOS EM TEATRO
Coordenação: Profa. Dra. Biange Cabral, profissional do DAC/SECARTE/UFSC.
Oficina: Construção dos seres ficcionais no contexto do Drama.
Ministrante: Wagner Monthero / PPGT – UDESC
Ementa:
Esta oficina está centrada nos processos de criação de seres ficcionais no
contexto do Drama. O trabalho de interpretação dos participantes terá como
base a identificação e escolha de imagens que, associadas ao seu repertório
pessoal, favorecerá a expressividade individual em detrimento da
representação. A articulação entre as criações individuais delimitadas pelos
elementos do Drama conduzirá à significação e edição das ações criadas.
Objetivos:
– Explorar formas de criação de seres ficcionais;
– Criar partituras de ações centradas na articulação de imagens e
fotografias;
– Promover a interação das partituras no contexto do drama.
Metodologia:
– Construção de Seres Ficcionais através de partituras físicas de ações
criadas a partir de fotografias e outras imagens visuais;
– Expansão e ampliação das partituras de ações a partir de elementos
estruturais do Drama tais como: contexto ficcional, ambientação cênica,
tensão dramática e professor-personagem.
Período de Realização:
De: 04 de abril a 06 de junho de 2011 sempre às segundas-feiras.
Horário: 19 às 21h.
Local: DAC – Igrejinha da UFSC
Sobre a coordenadora:
Biange Cabral é Diretora de Artes Cênicas (DAC/UFSC) e professora da graduação e pós-graduação em Teatro do Ceart/UDESC. Mestre em Teatro pela USP e PhD em Drama pela UCE/Inglaterra. Coordenou intercâmbio de pesquisa entre a UFSC, a UDESC e a University of Exeter/UK (programa de intercâmbios CAPES/Conselho Britânico), de 1997 a 2001. Foi tesoureira da ABRACE (Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Teatro) na gestão 2002-2004. Publica nas áreas de Pedagogia do teatro e Recepção teatral.
Sobre o ministrante: Wagner Monthero é graduado em Odontologia e atua na área de Teatro e Vídeo desde o ano de 2005, trabalhando como ator e participando de oficinas, seminários e grupos de pesquisa. Reingressou na Universidade no Curso de Bacharelado e Licenciatura em Teatro da UDESC e atualmente faz mestrado no Programa de Pós-Graduação em Teatro da mesma instituição.
Essas Oficinas de Teatro são projetos permanentes realizados pelo Departamento Artístico Cultural (DAC), vinculado à Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
SERVIÇO:
O QUÊ: Inscrições para Oficinas de Teatro para adultos no Departamento Artístico Cultural (DAC) da UFSC
QUANDO: Para a OPT: entrevista dia 29/03, terça-feira, às 20 horas. Para Projeto Experimentos Cênicos em Teatro, inscrição na Secretaria do DAC, das 10 às 18 horas.
ONDE: Departamento Artístico Cultural (DAC), Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha. Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis-SC.
QUANTO: Taxa de inscrição semestral a R$ 50,00
CONTATO: (48) 3721-9348 e 3721-9447 – www.dac.ufsc.br
Veja a relação de cursos e oficinas de arte do DAC, para este semestre, em http://www.dac.ufsc.br/destaques_cursos_oficinas.php#topo
Fonte: [CW] DAC: SECARTE: UFSC, com material institucional.

Projeto 12:30 recebe a música do Trio Karibu

29/03/2011 15:12
No início de 2010, três artistas de linguagens bastante distintas se juntaram para produzir um som que falasse sobre as influências que a cidade pode trazer às pessoas e suas relações: o trio Karibu é formado por François Muleka (violão e voz), Max Tommasi (bateria) e Trovão Rocha (baixo fretless).
Karibu é um termo que em Swahili (língua africana) expressa votos de boas vindas, denotando a vontade dos integrantes de apresentar músicas simples em arranjos complexos, porém acessíveis e interessantes para músicos e “não-músicos”. Em março de 2011, o grupo estreia o show Baile Perfumado, totalmente autoral, com parcerias e participações de amigos, como Amado João, parceiro na composição que dá nome ao espetáculo. O show, bem como o Trio, tem um clima bastante urbano e transpira as influências do rock, do jazz, dos ritmos do congo e do Brasil.
Em seu pouco tempo de existência, Karibu já se apresentou para diversas plateias. Os primeiros dois ensaios abertos aconteceram no Centro de Artes da UDESC, assim como o primeiro show, que aconteceu durante a Semana do Calouro, promovida pelo Diretório Acadêmico.
Durante o verão de 2010/2011, o trio se apresentou algumas vezes nas festas da Casa da Música, república estudantil que promove festas que reúnem cerca de 500 pessoas para conhecer novas bandas de Florianópolis.
Em março de 2011, Karibu apresentou pela primeira vez o Baile Perfumado, no teatro do SESC.
Os músicos
François Muleka é filho de congoleses e cresceu numa atmosfera artística extremamente rica em que desde cedo conviveu com o universo do folclore, da pintura, música, danças e literaturas de várias regiões do Brasil e da África. Atua profissionalmente como músico desde 2002 em shows pelo Brasil, Argentina e França.
Max Tommasi toca bateria com várias bandas em Florianópolis. Já acompanhou os Stereo Tipos e Rafa Brasileiro (compositor de Canção da Bailarina e Meu Nego). Graduando em Artes Visuais na UDESC, divide suas habilidades artísticas entre a pintura e a música. É famoso por seus grooves, de funk e black music.
Trovão Rocha começou a estudar contrabaixo aos 14 anos com o contra-baixista Renato Valério. Dos 14 aos 17 participou de bandas de diversos estilos, tocando na noite de Florianópolis, até o ano de 2006 onde ingressa no curso de licenciatura em música da Universidade do Estado de Santa Catarina. Nesse curso teve a oportunidade de estudar harmonia e arranjo com Sérgio Freitas, arranjo e improvisação com Leonardo Garcia, análise com Guilherme Sauer Bronn e composição com Acácio Tadeu Piedade. Fora de sua vida acadêmica participou de diversas oficinas e workshops, onde teve a oportunidade de estudar e tocar com diversos músicos importantes do cenário instrumental brasileiro como: Ronaldo Saggiorato, André Neiva, Daniel Santiago, Gabriel Grossi, André Vasconcelos, André Marques, Paulo Braga, Genil Castro, Thiago do Espírito Santo, Arismar do Espírito Santo, Endrigo Betega e Jorge Helder.
Projeto 12:30
O Projeto 12:30 é realizado pelo Departamento Artístico Cultural (DAC), vinculado à Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte) da UFSC e apresenta semanalmente atrações de cunho cultural, grupos de música, dança e teatro, nas versões ao ar livre na Concha Acústica e na versão acústico, quinzenalmente, no Teatro da UFSC.
Criado em 1986, foi a partir de 1993 que os shows passaram a ser realizados semanalmente na praça central do campus, a Praça da Cidadania, onde estão a Concha Acústica da UFSC e o Varandão do CCE. A cada ano, em cerca de 60 shows, mais de 300 artistas se apresentam para um público estimado em 20 mil pessoas.
Inscrições Abertas
Artistas interessados em se apresentar no projeto dentro do campus da UFSC devem entrar em contato com o DAC através dos telefones (48) 3721-9348 / 3721-9447 ou por e-mail, enviando mensagem para projeto1230@dac.ufsc.br. Mais informações, sobre como participar do projeto, estão disponíveis no site www.dac.ufsc.br. As inscrições estão abertas.
SERVIÇO:
O QUÊ: Apresentação musical com Trio Karibu
QUANDO: Dia 30 de março de 2011, quarta-feira, às 12h30
ONDE: Projeto 12:30, na Concha Acústica da UFSC, Praça da Cidadania, área central do campus da UFSC, Trindade, Florianópolis-SC
QUANTO: Gratuito e aberto à comunidade.
CONTATO: Nina Bamberg – Produtora executiva: (48) 8833-3224 e 9650-2035.
No Myspace: myspace.com/triokaribu – No Facebook, como Trio Karibu.
Fonte: Patrícia Siqueira – Acadêmica de Jornalismo, Assessoria de Imprensa do DAC: SECARTE: UFSC, com texto e foto do grupo.

Massimo Canevacci abre nesta terça-feira série “Museu em Curso”

29/03/2011 11:00

Foto: Overmundo

O antropólogo italiano Massimo Canevacci abre, nesta terça-feira, 29 de março, o primeiro evento do ciclo de debates  ´O Pensamento no Século XXI` e da série ´Museu em Curso` deste ano. A conferência “O Museu no Século XXI” ocorrerá das 16 às 18 horas, no auditório do Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral, na UFSC, em parceria com a Secretaria de Cultura e Arte (SecArte), Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG) e Associação dos Amigos do Museu. Professor da Facultade Scienze della Comunicazione “La Sapienza”, de Roma, e professor visitante da UFSC, Canevacci abordará as possibilidades de apropriação das tecnologias digitais na representação da cultura urbana e na arquitetura contemporânea.

Referência internacional na área de comunicação museal, Canevacci atua desde 1984 no Brasil como pesquisador convidado para desenvolver pesquisas, conferências e cursos em universidades. Sua pesquisa, orientação didática e publicações se desenvolvem em torno da comunicação visual, arte digital, etnografia urbana e indígena, culturas da juventude, antropologia teórica e trocas entre antropologia e outras áreas do conhecimento. Atualmente coordena o projeto Carpe-Code, sobre metrópole comunicacional, design expandido, etnografia ubíqua e realidade aumentada.

Autor de A cidade polifônica, da Studio Nobel (1993), considerada uma obra fundamental para compreender a antropologia urbana através da mídia e da arquitetura, Canevacci dirigiu até 2001 a revista Avatar de etnografia, comunicação e arte visuais. Também publicou Comunicação Visual, pela Brasiliense, Fetichismos Visuais, da Ed. Atelier; Sincretismos, uma exploração das hibridações culturais, da Studio Nobel e Culturas Extremas, da DpA. Em processo de tradução no Brasil pela editora Annablume, escreveu La linea di polvere, publicado em Roma pela Meltemi (2007), como fruto de pesquisa que realizou sobre a cultura dos índios Bororo.

Os projetos ´O Ciclo Pensamento no Século XXI` e ´Museu em Curso` foram concentrados em torno dessa conferência para evidenciar os desafios das instituições museológicas hoje. “Vivemos um tempo em que as mídias e as identidades se multiplicam e modificam o espaço urbano, de modo que os registros de memória e de cultura precisam levar em conta processos de identidade cada vez mais sazonais e fragmentados”, lembra a secretária de Cultura e Arte Maria de Lourdes Borges. Na continuidade do projeto Museu em Curso, a cada mês, será realizada uma palestra voltada para as diversas áreas da teoria e da prática museológica.

Serviço:

O quê: Museu em curso, palestra com Massimo Canevacci
Quando: 29 de março, das 16h às 18h
Onde: Auditório do Museu Universitário da UFSC
Quanto: Entrada franca
Informações: 48 3721-8604 ou 9325
e-mail: Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.
Serão fornecidos certificados

Divisão de Museologia
Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral – UFSC
Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima – Trindade – CEP 88.040-900 – Florianópolis – Santa Catarina – Brasil
Telefones: 48 3721-8604 / 6473 / 9325

Por Raquel Wandelli/  Jornalista na SeCarte
(048) 37219459 e 99110524
Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.
Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

Neri Andrade pinta memórias do engenho

24/03/2011 14:43

As obras de Neri Andrade não impressionam somente pelo cromatismo, mas principalmente pelo desenho poético dos casarios, os engenhos, festas religiosas, cenas rurais, lidas da roça e o trabalho da pesca. Suas pinturas naif lançam luzes para a herança cultural deixada pelos casais açorianos na hoje simbolicamente denominada “Décima Ilha do arquipélago dos Açores”. Com a exposição “Memórias do Engenho Andrade”, o espaço Cultural do Núcleo de Estudos Açorianos da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC abre, de 15 de março a 15 de maio, o calendário de exposições de 2011 em homenagem ao artista.

Através das obras dessa exposição, Neri convida a uma viagem fascinante pelos corredores da memória de sua infância no engenho e no casarão Andrade, onde nasceu e viveu grande parte de sua vida. As telas estão expostas de segunda a sexta feira, das 9 às 12 e das 14 às 17 horas no espaço cultural do NEA, que fica ao lado do Museu Universitário. O evento tem apoio da Agência de Comunicação da UFSC e da Direção Regional do Governo dos Açores.

Com mais de 30 anos de carreira, o artista foi escolhido em 2004 para representar o Brasil no Catálogo Internacional da CFM The Power of Flinght, da General Eletric, produtora de turbinas para aeronaves. Em 2006 foi premiado na Bienal Naif de Piracicaba/SP, com as obras “Pescaria Noturna” e “Interior de Engenho”. O critico de arte Oscar D’Ambrosio escreveu sobre sua obra: “O segredo está em não oferecer o óbvio, mas criar uma visão pessoal de um universo no qual se sente à vontade por conviver com ele desde criança. A localidade que pinta não existe mais da maneira que Neri Andrade a retrata, mas é preservada pela sua memória, pela forma como transforma suas lembranças em obras bem elaboradas.”

Local: Espaço Cultural NEA – Núcleo de Estudos Açorianos – Universidade Federal de Santa Catarina

Período: 15 de março a 15 de maio de 2011.

Visitação: 2ª a 6ª feira das 9 às 12 e das 14 às 17 horas

Informações: (48) 3721.8605 ou (48) 3235.2572 ou Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

Fotografias para divulgação: http://www.nea.ufsc.br/ExposicaoEngenho_NeriAndrade_2011.zip
Promoção:

Universidade Federal de Santa Catarina

Secretaria de Cultura e Arte

Realização:
Núcleo de Estudos Açorianos da UFSC

Apoio:
AGECOM/UFSC

Direção Regional dos Açores/Governo dos Açores

Por Raquel Wandelli / 48 99110524Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

UFSC OFERECE CURSO DE EXTENSÃO PARA GESTORES DE MUSEUS

22/03/2011 17:28

Pessoas que moram no raio de três quilômetros dos museus nas cidades brasileiras são as que menos visitam o seu acervo. Essa conclusão de pesquisa recente do Observatório Nacional de Estudos de Público, vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus, mostra o quanto os acervos de memória estão desvinculados das comunidades que representam. Quanto mais próximo o cidadão mora de uma instituição museológica menos se dispõe a conhecê-la, aponta o estudo de 2009. Capacitar pessoas que atuam no setor para que os museus deixem de ser arquivos mortos da história e da cultura de uma cidade, integrando-os ao público é o objetivo do curso de extensão Gestão de Acervos Museológicos, que o Núcleo de Estudos Museológicos da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina oferece gratuitamente de 7 de abril a 16 de junho.

Com aulas sempre às quintas-feiras, das 9 às 12 horas, na sala 606A, do Centro de Ciências da Educação e carga horária de 30 horas/aula, o curso é aberto ao público em geral, mas se direciona a alunos dos cursos de biblioteconomia, arquivologia, museologia, professores, pesquisadores e profissionais da área de museologia que querem melhorar a integração com o público. Oferecendo 30 vagas, o curso quer fortalecer a ação educativa dos museus, aperfeiçoando as formas de interação com os diferentes públicos visitantes e ensinando não só a quantificá-los, mas principalmente a qualificá-los. “A gestão de um museu precisa considerar as diferentes linguagens de cada público, seja ele crianças de uma escola, portadores de necessidades especiais, turistas, estrangeiros, indígenas ou pesquisadores”, explica Francisco do Vale Pereira, historiador e coordenador do Nemu.

Os museus guardam a referência da história e da identidade dos locais onde se situam. “É preciso empreender todo um esforço de gestão para atrair a comunidade e torná-los instituições vivas”, lembra Pereira. Totalmente gratuitas, as aulas serão ministradas pela museóloga Rosana Andrade Dias do Nascimento, doutora em História pela UFBA; professora de História da Arte no Curso de Design da UFSC e professora convidada do curso de Mestrado em Museologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, com reconhecida atuação nacional e internacional na área de documentação museológica e teoria Museológica.

Em Santa Catarina, o principal desafio dos aproximadamente 200 museus é melhorar a qualidade técnica dos acervos e mostrar sua importância à população. “O melhor caminho para cumprir essa missão é prepará-los para preservar e difundir melhor os museus, de modo que estejam mais presentes no cotidiano das cidades”, aponta Pereira. O curso capacita os gestores a realizarem o inventário do seu acervo, a cuidarem da sua reserva técnica, restauração e conservação em laboratórios e finalmente foca na exposição ao público, mostrando as diferentes dinâmicas de apresentação do acervo. “Quanto mais um gestor conhece e administra o seu acervo, mais tem condições de transformá-lo em uma ponte de ligação e diálogo com a sociedade em torno”.

Interessados devem enviar seu nome completo e CPF para o e-mail  fpereira@cfh.ufsc.br, ou entrar em contato pelo telefone: 3721 6318 / 9114 4477.

Programa:

1. Conceito de Documento

2. Documentação

2.1.  Definição básica;

2.2.  Documentação: na Museologia, na Biblioteconomia e na Arquivologia;

2.3.  A interdisciplinaridade e a documentação museológica.

3. A Documentação Museológica: procedimentos de aquisição

3.1.  Ética de Aquisição;

3.2.  Políticas de Aquisição;

3.3.  Tipos de Aquisição;

3.4.  Documentação provisória para aquisição.

4. Documentação Técnica Museológica

4.1.  Sistema de numeração;

4.2.  Procedimentos de marcação;

4.3.  Inventário;

4.4.  Sistema de Fichas: de Identificação, de Localização com Planta baixa, de Conservação;

5. Diagnóstico de acervo.

6. Banco de dados para acervos de museus.

Raquel Wandelli – Assessora de comunicação da SeCArte/UFSC
raquelwandelli@yahoo.com.br / raquelwandelli@ufsc.br
Fones: 37219459 e 99110524
www.secarte.ufsc.br e www.ufsc.br

Editora da UFSC lança Ecos no Porão

22/03/2011 15:02

Florianópolis é o cenário para uma legião de homenzinhos fazendo cooper com calções esdrúxulos, tristes velhos pederastas, velhinhos trovadores, desempregados, avozinhas, solteironas, aposentados, enfim, habitantes da vizinhança da Ilha onde pulsa um coração decrépito, murchando para a vida, que pode ser acordado de súbito por um pequeno incidente, a fuga de um canário ou uma rajada de vento.

Mas Florianópolis não é mero pretexto para o quase octogenário escritor Silveira de Souza descrever o local onde nasceu e viveu. Mais do que isso, a Ilha é o “mundinho” onde se constituem essas “figurinhas ridículas” e apaixonantes do grotesco que vão ganhar dramaticidade e lirismo em Ecos no Porão, o segundo volume da antologia de contos de Silveira, que a Secretaria de Cultura e Arte e a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina lançam nesta terça-feira, dia 22 de março, às 10 horas, com a presença do autor, durante a Feira de Livros da UFSC e Liga das Editoras Universitárias, na Praça da Cidadania.

Esses habitantes ao mesmo tempo ordinários e excêntricos dos porões da ficção de Silveira, que podem estar no café, na Beira-Mar, na Praça XV, no Calçadão ou em quarto de hotel, carregam um traço em comum: todos experimentam o vazio da existência. Mas ao longo das 137 páginas são surpreendidos no automatismo banal do seu dia a dia urbano por sutis acontecimentos que anunciam possibilidades de passarem do mundinho para o “mundão” e conhecerem uma dimensão mais sublime da vida. E o que produz o acesso ao mundão? Uma sinfonia de Bethoven, um sonho ou um pesadelo, uma emoção inesperada, uma cena da memória, um abalroamento de carro, enfim, interferências mais ou menos perceptíveis que alteram o estado de coisas e, como em um poema hai kai, sugerem uma revelação.

Nem sempre os seres da Ilha percebem essas epifanias cujo deslinde o autor deixa a cargo da perspicácia e prazer do leitor, como anota bem o editor da obra, Sérgio Medeiros Vieira. “Em geral essas mudanças provocam os personagens momentaneamente, levando-os para a absoluta estranheza, mas não chegam a arrancá-los em definitivo do seu mundinho”, diz o diretor da Editora, que chama atenção para a delicadeza e a sofisticação da obra. É como se as possibilidades de sair do vazio estivessem por toda parte, mas os habitantes não se dispusessem a enxergá-las.

A exemplo do primeiro volume, Ecos no Porão II traz na capa a ilustração de um grande artista plástico catarinense, neste caso uma instalação de Fernando Lindote. Em papel pólen, a obra reúne três seleções do próprio autor dos livros Canário de assobio (1985), Relatos escolhidos (1988), Contas de vidro (2002) e ainda cinco contos inéditos, entre eles a narrativa metalinguística “Ecos no porão”, que dá nome à obra e traduz uma metáfora de Silveira para as deformações estilísticas da leitura dos escritores clássicos que inundam seu imaginário desde os dez anos de idade. Vendidas com desconto de 50% durante a Feira EdUFSC/LEU (R$ 15,00), que se estende até o dia 8 de abril, na Praça da Cidadania, os dois volumes apresentam-se, assim, no crivo do escritor e do editor, como o melhor da safra de Silveira.

Os personagens velhos passeiam por grande parte dos contos, mas assumem uma expressividade absoluta em “Vidraças partidas”, onde a decrepitude ganha um lirismo refinado na tentativa de sublimar o vazio através do amor sexual por um jovem. Todavia, em “O olho de Deus”, uma carta assinada aos efebos por mais um velho – funcionário público – aturdido pelo vazio, Silveira alcança um domínio da linguagem que fica à altura da ironia de Franz Kafka no conto “Convenção à Academia”.

Volta e meia Paulo, uma espécie de superego do autor passeia pelas narrativas. Ele mesmo um senhor de baixa estatura e calvo, e conversa franca e elevada, como o homenzinho de “olhinhos afiados” e “face rechonchuda” do conto “He, He, He, He!”, da coletânea Contas de vidro. Como se acometido de uma inspiração sublime, o baixote interrompe a reunião de engravatados executivos encafifados com o planejamento publicitário da empresa para contar um episódio bizarrísimo envolvendo os índios e índias tupinambás e Jean de Léry, missionário francês que narrou sua visita ao país por volta de 1557 na obra Le voyage au Brésil. Em seu relato aparentemente nonsense, o homenzinho exalta “um canto sublime, de extraordinária beleza”, que se produz inicialmente de um murmurante “he, he, he” entre os varões da tribo e contagia o coro das mulheres até assumir a proporção de um canto catártico. O personagem é calado pela perplexidade desdenhosa dos executivos, que retomam sua reunião sem se dar conta do caráter revelador da intempestiva história.

E assim, com sua habilidade inigualável com a língua, uma boa dose de humor e ironia e um olhar lírico para o grotesco, Silveira parece rir-se baixinho ao final de cada história onde reside uma possibilidade de revelação que nunca se entrega sem esforço do leitor… E é como se ouvíssimos os ecos longínquos do seu “he, he, he…” por trás de cada um dos 28 contos.

ENTREVISTA

A Ilha e seus habitantes na ficção de Silveira de Souza

Considerado pelo escritor Salim Miguel um dos maiores contistas brasileiros da atualidade, Silveira publicou O cavalo em chamas (Ática 1981) e Janela de varrer (Bernúncia, 2006). Como contista e tradutor de autores universais, participou ativamente do Grupo Sul, movimento que trouxe o Modernismo para Santa Catarina nos anos 40 e 50.  Aposentado do serviço público, desenvolveu sua carreira literária em meio à rotina de diversas funções, de professor de matemática do Instituto Estadual de Educação e da Escola Técnica Federal de Santa Catarina, a diretor da Divisão de Informação e Divulgação do Departamento de Extensão Cultural da UFSC. Também atuou no setor de editoração da Fundação Catarinense de Cultura como coordenador das Edições FCC. De mãos ágeis e tão falantes quanto seus contos, mais falantes do que ele próprio, Silveira, concedeu esta entrevista:

O que norteou esta seleção de contos do segundo volume de  Ecos no Porão e o que a diferencia do anterior?

– O plano geral que norteou a preparação de Ecos no Porão, volumes I e II, foi proporcionar uma seleção dos que considero meus melhores textos publicados em livros, desde 1960 até o presente. A única pequena diferença que existe no segundo volume, em relação ao primeiro, é que ele contém alguns relatos inéditos e outros que fizeram parte de coletâneas com outros autores.

Percebe-se em todos os contos uma consciente localização do cenário de Florianópolis que vai muito além do mero retrato ou panorama da cidade pelo escritor. Em que tipo de intenção estética se inscreve essa presença geográfica de Florianópolis na sua ficção?

– De fato, Florianópolis é o cenário de todos os relatos. Por não se tratar de um guia turístico, mas de um livro de ficção literária, o leitor não vai encontrar descrições pormenorizadas ou exaltações entusiásticas a respeito de suas paisagens e recantos pitorescos. O que existe são apenas brevíssimas indicações dessa geografia, integradas à ação e à mente dos personagens. Foi minha intenção que esses personagens se comportassem como habitantes de uma ilha, que a ilha fosse, indireta ou inconscientemente, um componente importante de sua psicologia. Creio que isso diferencia um tanto os meus relatos dos relatos de autores de outros estados.

Alguns elementos naturais marcantes de Florianópolis também são recorrentes na narrativa, como o vento, o mar, as aves. Parece que você dá aos elementos inumanos uma vida e uma participação muito mais específica e marcante do que a de mero cenário para expressão do universo humano…

– Pode ser algo ilusório, mas sempre achei que as ilhas, e em especial a nossa Ilha de SC, propiciam uma aproximação maior do universo humano com outros universos, como o universo de seres inumanos (o mar, os ventos) e o universo de outros viventes, como os peixes, as aves, os insetos, os pássaros, as árvores e os bosques.

Apesar da aparente banalidade de suas vidas, os personagens sempre ganham a possibilidade de uma anunciação ou de uma revelação. Nem sempre se dão conta dessas possibilidades e nem sempre elas têm a força de arrancá-los do seu mundinho… O que você diz sobre isso?

– Na verdade não sei se a minha vida é banal, ou se o mundo de minha literatura é banal. Faz algum tempo que deixei de qualificar as coisas. Quando às vezes tento fazer uma retrospectiva da minha vida até o momento, me dou conta que ela foi pontilhada de fases diversas e até mesmo contraditórias; uma, extremamente tumultuada, com muita bebida, fumaça, cortinas vermelhas e anarquias boêmias; outra (como na infância) cheia de descobertas maravilhosas; outra, tediosa e presa às obrigações sem muito sentido, que eu precisei encarar para poder comprar, como disse certa vez Tom Jobim, “o uisquinho das crianças”; e ainda outra (como presentemente), tranquila e voltada para o estudo e a meditação. Mas, banal ou não, houve algo em todas essas fases que me salvou de um mergulho na mediocridade absoluta: um interesse pela criação literária, que me acompanha desde a infância. Quanto a meus relatos literários os personagens em geral vivem nesse mundinho, sem heroísmos, sendo muitas vezes surpreendidos por (para eles) estranhas ocorrências que podem despertá-los para uma dimensão de suas vidas antes desconhecida.

Ainda que voltado para as delicadezas da existência e da alma, os contos sempre iniciam com cenas concretas, personagens que têm vida corpórea própria, para que depois se deem as abstrações e possibilidades de reflexões filosóficas. Está aí uma escolha estética consciente?

No meu caso, não houve escolha. O modo como escrevo os meus relatos foi nascendo naturalmente, seja como resultado de constante exercício, seja como uma visão muito pessoal do mundo (e da criação literária ou da criação de modo geral), que foi nascendo com a vivência e com as impressões causadas no contato com obras de grandes ficcionistas, com pinturas, músicas, revistas diversas, cinema, paisagens, pessoas, bichos, mil coisas.

E qual o lugar da velhice nos seus contos. Pode comentar que traço há em comum nesses personagens aparentemente reféns da solidão e da decrepitude?

O velho do conto Vidraças partidas (que considero o meu  conto melhor realizado) é um caso especial. Ele existiu, costumava passear pela Felipe Schmidt, de terno e gravata, nos anos 1960, usando um chapéu de feltro. Pensei nele, na sua figura, quando pintou o tema do relato, uma experiência de extrair algo lírico de um comportamento que normalmente se julga degradante.

Você  faz uma literatura ao mesmo tempo densa e econômica, como poucos contistas. Como chegou a essa síntese e que autores o influenciaram nessa escolha estética?

– Harold Bloom escreveu que toda a escritura é uma espécie de releitura. Se ele estiver certo, devo dizer que leio desde os dez anos de idade (estou hoje beirando os 78). Em todo esse tempo, passei por períodos de leitura em que determinado autor, às vezes determinados autores, monopolizavam a minha preferência. Posso citar alguns deles: Monteiro Lobato e Hans Christian Andersen, lá entre os dez e 12 anos. Depois, com o tempo, foram surgindo: Machado de Assis, Anton Checov, Dostoievski, Clarice Lispector, Kafka, Dyonélio Machado, Joseph Conrad, James Joyce, Thomas Mann, William Faulkner, Guimarães Rosa, Cortazar, Jorge Luis Borges, H.P. Lovecraft e mais alguns outros. Nem vamos falar de poetas, de compositores, de alguns desenhistas e pintores, e de alguns diretores de cinema. É provável que todos eles, de algum modo, tenham deixado alguma marca, numa frase, na estruturação de uma determinada estória, na caracterização de um dado personagem. Mas essa é uma praia para os críticos literários.

Alguns escritores, como Salim Miguel, o consideram o maior escritor catarinense da atualidade e um dos melhores contistas do Brasil. O que pensa disso?

– Não tenho como responder a isso. Mas devo dizer que, desde 1960, quando publiquei O Vigia e a Cidade, até agora, o propósito real ao escrever os meus relatos foi conseguir realizar algo que me satisfizesse interiormente, do ponto de vista de uma criação estético-literária. Nunca me interessou ser, como autor, maior ou menor, principalmente num momento em que Santa Catarina tem, residindo aqui e fora daqui, um conjunto de poetas e escritores de primeira linha, como o próprio Salim.

Raquel Wandelli – Assessora de comunicação da SeCArte/UFSC
raquelwandelli@yahoo.com.br / raquelwandelli@ufsc.br
Fones: 37219459 e 99110524
www.secarte.ufsc.br e www.ufsc.br

Diretor do Núcleo de Estudos Açorianos recebe medalha Francisco Dias Velho

22/03/2011 15:00

O trabalho de quase 30 anos do historiador e fotógrafo Joi Cletison Alves à frente de órgãos da Universidade Federal de Santa Catarina que promovem valorização da cultura local foi reconhecido pela Câmara Municipal de Florianópolis. Na sessão solene em comemoração aos 285 anos da cidade, Joi receberá da Câmara a medalha de Mérito Francisco Dias Velho. A distinção será concedida a um total de 14 cidadãos florianopolitanos que “mais notável contribuição deram à comunidade, ao estado e ao País, nas artes, letras e ciências”. Coordenador do Núcleo de Estudos Açorianos da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC, Joi lembra que a distinção fortalece o investimento da universidade para que a cultura açoriana continue viva entre a gente catarinense.

A solenidade ocorrerá no dia 23 de março, às 20 horas, no Auditório do Pleno, no Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Joi receberá a Medalha Francisco Dias Velho ao lado do ex-reitor da UFSC Antônio Diomário Queiroz e outras personalidades, como Jorge Mussi, Péricles Prade, Andrino Oliveira e Renato Turnês. Especialista em história de Santa Catarina, Joi participou da criação e implantação do Departamento Artístico Cultural da UFSC, em 1984, e hoje, além do NEA, coordena os projetos Fortalezas da Ilha de Santa Catarina, que atua na preservação do patrimônio arquitetônico e paisagístico das fortificações, e o Saber Fazer, que promove a capacitação de pessoas que vivem do artesanato de base açoriana, todos projetos integrantes da Secretaria de Cultura e Arte da universidade.

Como coordenador do NEA, o historiador idealizou e ajudou a consolidar a Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina, realizada desde 1997, e o Troféu Açorianidade. Publicou ainda o Mapeamento da Cultura de Base Açoriana no Estado de Santa Catarina, criando um importante Sistema de dados sobre a distribuição desses focos de imigração, em 2004. Assumiu também uma atuação decisiva na aproximação cultural e histórica entre Santa Catarina e Açores, coordenando o Intercâmbio Cultural Folclórico Açores/Brasil 1999 e 2010 e o 6º Seminário de Cidades Fortificadas Brasil, Portugal e Argentina, em 2010.

Na mesma cerimônia, outros 12 cidadãos receberão Medalha de Mérito Municipal, concedida aqueles que, por serviços relevantes, tiveram concorrido de qualquer forma para o engrandecimento do Município e mais oito serão agraciados com o título de Cidadão Honorário, concedido às pessoas ou entidades não florianopolitas que reconhecidamente tenham prestado serviços relevantes ao Município, Estado, União e humanidade.

Raquel Wandelli – assessora de comunicação da SeCArte/UFSC
raquelwandelli@yahoo.com.br e raquelwandelli@reitoria.ufsc.br
Fones: 37219459 e 99110524
www.secarte.paginas.ufsc.br

Feira de livros de editoras universitárias oferece até 70% de desconto na volta às aulas da UFSC

22/03/2011 10:32

A coisa perdida: Agamben comenta Caproni, organizado e traduzido por Aurora Bernardini, Ecos no porão II, livro do contista catarinense Silveira de Souza e Do jeito que você gosta, tradução de Shakespeare. Esses lançamentos que acabaram de sair do prelo compõem uma pequena mostra dos livros que a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, pela primeira vez em parceria com a Liga de Editoras Universitárias (LEU), coloca à venda na volta às aulas, com descontos variando entre 15 a 70%. De 14 de março a 5 de abril, na Praça da Cidadania da UFSC, a Feira de Livros da Editora da UFSC/LEU vai oferecer com descontos muito vantajosos cerca de oito mil títulos de suas antigas e novas coleções.

Ao todo aproximadamente 780 títulos e 7.200 livros da EdUFSC serão vendidos com 50 a 70% de desconto e 500 títulos de outras editoras universitárias filiadas à LEU terão 15 a 30%, incluindo-se as da Unicamp, USP, UFMG e UFBA, todas trazendo obras de interesse universal. É a oportunidade de adquirir pela metade do preço em condições normais, o livro Desgostos: novas tendências estéticas, do filósofo italiano Mario Perniola, que será vendido somente na Feira a R$ 16,00. Outros exemplos da nova coleção da EdUFSC são: George Bataille, filósofo, por R$ 12,00; Poetas da Catalunha, que custará R$ 11,00 e A Coisa perdida, que baixou de R$ 45,00 para 23,00. Com tradução inédita em língua portuguesa, o célebre comentário de Agamben com a seleção dos poemas de Caproni será lançado na Feira. A obra foi recomendada pela mídia nacional entre os dez melhores produtos culturais do país. Ecos no porão, segundo volume da coletânea de contos de Silveira de Souza também será lançado com preço especial de R$ 15,00.

Aberta ao público universitário e a toda comunidade das 9 às 19 horas, exceto aos sábados e domingos, a Feira ocorre em tendas cobertas localizadas na Praça da Cidadania, em frente à Reitoria, com fundo musical de cavaquinho. Incluem-se entre as obras oferecidas a Série Didática, composta por livros solicitados em diversas graduações (Medicina, Farmácia, Enfermagem, Engenharias, Química, Física, Matemática, Português) e autores que costumam ser solicitados na lista do Vestibular das universidades catarinenses. Entre as novas edições da Série Didática, o editor Sérgio Medeiros destaca títulos como Anatomia sistêmica, Introdução à engenharia e Estatística aplicada às ciências sociais e Manual básico do desenho. O volume Farmacognosia, um dos mais vendidos da EdUFSC, recentemente reeditado, também estará à venda com desconto.

A feira da UFSC retorna este ano com outro conceito. Deixou de ser liquidação de livros de ponta de estoque para ser uma feira de qualidade. Segundo o editor, a parceria com a LEU, à qual a UFSC se filiou no ano passado, qualifica a feira com um catálogo de livros dos mais diversificados e respeitados do país, incluindo autores contemporâneos como Walter Benjamin e Giorgio Agamben, e autores clássicos, como Aristóteles e Kant. “Cada editora universitária vai oferecer os seus melhores livros”, acrescenta.

Lançamentos da EdUFSC à venda na Feira:

  • Ética das virtudes – JOÃO HOBUSS (ORGANIZADOR)
  • A coisa perdida: Agamben comenta Caproni – AURORA FORNONI BERNARDINI (ORGANIZAÇÃO E TRADUÇÃO)
  • A decadência de Santa Catarina – HENRIQUE LUIZ PEREIRA OLIVEIRA • MARLON SALOMON
  • Corpo e Performances: As You Like It, de Shakespeare, no século XX – STEPHAN ARNULF BAUMGÄRTEL.
  • Do jeito que você gosta, de Shakespeare, RAFAEL RAFAELI (TRAD.)
  • Desgostos: novas tendências estéticas – MARIO PERNIOLA
  • Discussão de novos paradigmas –  JAIME COFRE • KAY SAALFELD (ORGANIZADORES)
  • Ecos do porão vol I e II – SILVEIRA DE SOUZA
  • Educação do corpo em ambientes educacionais – FÁBIO MACHADO PINTO • ALEXANDRE FERNANDEZ VAZ • DEBORAH THOMÉ SAYÃO  (ORGANIZADORES)
  • Fundamentação filosófica – GIOVANI LUNARDI • MÁRCIO SECCO
  • Georges Bataille – FRANCO RELLA • SUSANNA MATI
  • Redes locais – MARCELO RICARDO STEMMER
  • 28 desaforismos – Franz Kafka –  SILVEIRA DE SOUZA (TRADUÇÃO)
  • 4 poetas da Catalúnia – LUIS SOLER (ORG.)

Raquel Wandelli, jornalista na SeCArte
(048) 37219459 e 99110524
raquelwandelli@yahoo.com.br / raquelwandelli@ufsc.br