FANCA

24/09/2018 10:40
When:
27 de setembro de 2018 @ 20:00 – 29 de setembro de 2018 @ 22:00
2018-09-27T20:00:00-03:00
2018-09-29T22:00:00-03:00
Where:
UFSC
Contact:
Formação FANCA 2 Diálogos com Tradições Orais de Matriz Africana

A segunda edição da Formação do Fórum Permanente de Estudos sobre as Artes Negras da Cena, História e Cultura Africana e Afro-Brasileira (Fanca), que ocorre de 27 a 29 de setembro, terá como tema “Diálogos com Tradições Orais de Matriz Africana“. O pesquisador e artista Toni Edson (UFAL) ministrará uma palestra, uma oficina e apresentará um espetáculo de contação de histórias. A Formação, que é promovida pelo Coletivo Kurima e pelo Projeto 10 Anos do Curso de Artes Cênicas da UFSC, é gratuita e aberta a toda comunidade. As inscrições devem ser feitas aqui.

Sobre o FANCA

O Fórum Permanente de Estudos sobre as Artes Negras da Cena, História e Cultura Africana e Afro-Brasileira (FANCA) visa estabelecer um espaço de estudos acerca dessas práticas e saberes, incluindo as relações raciais e étnico-raciais, através de atividades formativas. Trata-se de conhecer, reconhecer, retomar, fomentar e endossar a cultura e arte africanas e afro-brasileiras, sobretudo àquelas que dizem respeito às artes das cenas negras em um sentido amplo: como as performances e outras artes dos corpos negros, a dramaturgia, a atuação, a performance arte, a encenação e as manifestações culturais.

Sobre Toni Edson

Toni Edson é ator negro sergipano que sobe aos palcos desde  os 11 anos de idade. Tornou-se dramaturgo, diretor, compositor e ator de forma auto-didata e, a partir de 1998, complementou sua formação com cursos. Desde 1999 é contador de histórias e em 2006 passou a ser formador de contadores. Toni direcionou sua pesquisa para contos africanos e contos populares do Brasil. É licenciado em artes cênicas (UDESC), mestre em Literatura Brasileira (UFSC). Ator profissional desde 2000, trabalhando com teatro de rua a partir de 2003, modalidade teatral em que concentra sua pesquisa de forma mais efetiva. Fez parte do Grupo A de Teatro, que depois se torna Africatarina, compôs o quadro do grupo Cachola no Caixote e atualmente é membro fundador da Trupe Popular Parrua (SC) e do Grupo Iwá (BA). É doutor em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade federal da Bahia (PPGAC/UFBA), estudando procedimentos e tradição oral de contadores de história africanos como inspiração para rodas de história na rua com contos brasileiros e africanos. Desde 2013 é professor de Encenação e Teatro de Rua da Escola Técnica da Universidade Federal de Alagoas (ETA/UFAL).

Programação:

Palestra: A Tradição Oral Vista sob o viés do Djeli na África Ocidental
Dia 27/09, às 20h, na Caixa Preta, Bloco D, CCE:
Há um grupo de famílias de contadores de histórias da África Ocidental, conhecidos como djeli ou djelimuso. Essas/esses contadoras(es) fazem parte de uma casta, numa tradição oral secular que passa de geração a geração. Os primeiros e principais expoentes dos djeliw fazem parte da família Kouyaté. Este estudo abarca discussões sobre oralidade feitas principalmente por uma parte da família Kouyaté, proveniente do país chamado Burkina Faso, e outros contadores de histórias encontrados no XVIII Festival Internacional de Contadores de Histórias Yeleen, promovido pela família supracitada na cidade de Bobo Diulasso. Esta palestra descreve a prática da tradição oral do djeli, suas funções e atribuições, analisa o discurso de alguns membros da família Kouyaté e do tradicionalista Amadou Hampatê Bâ, além de abordar um processo de intercâmbio realizado pelo autor em Burkina Faso, participando do festival Yeleen em 2014. A contação de histórias para esses “artesãos da palavra” acontece preferencialmente em espaços abertos.

Oficina: Breve Passagem por Jogos de Escuta: Teatro de Rua e o Encontro com a Tradição Mandinga
Dias 28 e 29/09, na Sala 310, Bloco D, CCE
A oficina busca potencializar as relações entre “o corpo que conta” e a emissão de palavras, que têm seu peso e sua memória. Para tanto, são praticados jogos de concentração, consciência corporal, percepção do espaço e do outro, a fim de ampliar o repertório pessoal de cada participante. A oficina tece ainda relações entre o contar histórias nos mais variados espaços, instigando as/os participantes a desenvolverem a generosidade, a tranquilidade ao contar e a conexão com nossas raízes.

Espetáculo: Histórias do Lar…de Lá
Dia 28/09 às 20h, na Caixa Preta, Bloco D, CCE
Você lembra da história que ela contou? Pois Toni Edson, nessa sessão de contos, recorre a memórias de um lar distante, do outro lado do oceano. O contador, sob as vestes de um contador tradicional, faz o reconto de histórias que nunca leu, mas que ouviu durante sua viagem a Bobo Diulasso, capital cultural do país africano Burkina Faso. E o contador ainda ” traduz” canções ouvidas nas histórias, muitas vezes trazendo outra letra para melodias africanas. São histórias que falam do que se faz em casa, sair de casa, entrar e as formas de conviver no lar… de lá. (Com contos de tradição oral africana, ouvidos no XVIII Festival Internacional de contadores de Histórias Yeleen, ocorrido em Burkina Faso. Os contos foram contados por Alasane Sidibé (Togo), Aichatou Fofana Lamine (Níger), Djneba Sano (Burkina Faso), Amnata Sano (Burkina Faso), Minata Sano (Burkina Faso), Bakari Sano (Burkina Faso). Tradução dos contos da família Sano para o francês: François Möise Bamba (Burkina Faso). Tradução dos contos para o português: Michel Ange Gorpe (Costa do Marfim) e Toni Edson. Concepção, adaptação e interpretação, e concepção de canções: Toni Edson.

Mais informações pelo Facebook ou pelo e-mail