Espetáculo teatral “Luz em Einstein” estreia na UFSC no projeto Experimenta

08/11/2017 17:30

O espetáculo “Luz em Einstein”, com o Grupo Pesquisa Teatro Novo, estreia integrando a programação do projeto Experimenta, realização da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC. A peça tem texto e direção de Carmen L. Fossari, profissional de teatro do Departamento Artístico Cultural (DAC) da Universidade. As apresentações acontecem nos dias 9 e 10 de novembro, quinta e sexta-feira, às 20 horas, no Auditório Garapuvu do Centro de Cultura e Eventos da UFSC. A entrada é gratuita, e os ingressos deverão ser retirados no local, uma hora antes do início do espetáculo.

Sobre a peça, segunda a diretora

Uma montagem que levou três anos entre a pesquisa realizada, a elaboração do texto e a montagem teatral. A peça traz à cena o personagem Albert Einstein em suas múltiplas formas de ser: cientista, músico violinista, poeta, velejador, conferencista, pacifista e, fundamentalmente, aquele que revolucionou a compreensão do ordenamento do universo: o Prêmio Nobel da Física e autor da Teoria da Relatividade Geral. Ele, Albert Einstein, convive no espetáculo com os seus pares cientistas, para que o universo de uma época tão pródiga da ciência esteja presente na cena; temos vivido tempos obscuros, onde, parodiando Brecht, falar de ciência é quase um crime, e realizar um teatro de pesquisa pode ser uma afronta ao mercado do riso enlatado e das imagens que são engolidas sem mastigar.

Com “Luz em Einstein” realizamos um teatro que resulta de uma imersão no humano, profundizada, evocando fatos da história do século XX, tão trágica e ao mesmo tempo com tantas perspectivas. Um teatro que busca sua essência para além de um riso ou choro de cotidianidades que povoam a vida do imediatismo da rede plugada no aqui e agora descartável.

Três atores, na peça, representam Albert Einstein em três momentos cronológicos de sua vida, a saber: AE, Albert Einstein dos 55 aos 76 anos de idade; AEJ, Albert Einstein Jovem com a idade dos 40 aos 54 anos, e AEJ1  Albert Einstein Jovem 1 com a idade dos 21 aos 39 anos. Em muitos momentos, as personagens dialogam entre si: quebramos a lógica da ação contínua aristotélica e seguimos os preceitos do teatro épico de Brecht. Os Einsteins triplos, ao dialogarem, corroboram com a reflexão sobre a relatividade do tempo absoluto; esta é uma marca constante no espetáculo: a teoria da ciência aplicada à cena da arte.

No meio da peça é anunciada a morte de Einstein, que inicia com ele aos 70 anos e termina a peça com ele jovem, com sua primeira esposa Mileva, quem o ajudou a redigir os célebres quatro artigos do ano dito pródigo de 1905.
São trazidos à cena, dentre outros personagens, a cientista Marie Curie, Freud, o amigo Michele Angelo Besso, Max Born, Max Plank, Rutheford Solvay, Lorentz, Poincaré, Charles Chaplin e Carlitos, e numa licença poética, Marlene Dietrich. Do universo familiar, as duas esposas Mileva e Elsa (prima de Eisntein) e a namorada Fantova, a secretária Helen Dukas, a irmã Maja, o filho Hans e a nora, a enteada Margot e o secretário e amigo Walther Meyer. Mas não faltam as pessoas em seus cotidianos de trabalho frente ao famoso cientista como o office boy e, mesmo, jornalistas; ainda um funcionário da embaixada americana onde Einstein e Elsa foram pedir visto de entrada, convidado que foi para dar uma palestra na América – uma ida sem volta, porque estourou a Segunda Guerra Mundial e ele lá permaneceu. A juventude nazista, a conexão Manhattan, Einstein velejando, dando aulas e mesmo namorando já viúvo de Elsa, com sua namorada aos 70 anos,  Fantova.

Outros personagens: Radialista, Apresentadora de TV Alemã, Bailarina que executa uma coreografia, quando da morte de Einstein, e a presença de um Tenor integram o universo de Luz em Einstein.

O texto “Luz em Einstein” foi registrado no ano de 2016 na Biblioteca Nacional, RJ.

Importante ressaltar o apoio para esta montagem da Secretária de Cultura e Arte da UFSC professora Maria de Lourdes Borges e do Reitor Luiz Cancellier (em memória) e do cineasta Zeca Pires com toda a equipe do DAC, que sempre acreditaram neste nosso desafio de encenar no limiar da Arte e Ciência, experiência já desenvolvida pelo Grupo Pesquisa Teatro Novo em “As Luas de Galileu Galilei”.

Este trabalho contou com assessoria de pesquisa do astrofísico Adolfo Stotz Neto presidente do GEA, Planetário da UFSC/CFH que proferiu importantes palestras ao Grupo Pesquisa Teatro Novo.

Einstein foi, malgrado seu mau jeito com a fidelidade amorosa com as mulheres que amou, um ser humano tão excepcional quanto a sua genialidade, propagador da cultura da Paz universal – ainda que para os mais desavisados tenha responsabilidade sobre  o projeto da Conexão Manhattan, que resultou na  nefasta  bomba atômica – escreveu uma carta que caiu em mãos erradas e belicistas. Este contexto está inserido na representação que conta com 44 cenas teatrais (casas de Einstein nos EEUU, Suíça, Alemanha, Praga, Encontro de Cientistas em Bruxelas, Trabalho em Berna, Professor, Rádio e TV alemã, Bar na Alemanha Nazista, Mar Báltico Velejando, Embaixada Americana em Berlim) e outros, totalizando 60 personagens.

Ficha Técnica

Elenco: Nei Perin, Bruno Leite, Leon de Paula (3 idades de Albert Einstein); Ivana Fossari; Julião Goulart; Mariana Lapolli; Thaianna Volkmmann; Muriel Martins; Cristiano Cunha; Ana Paula Lemos; Roberto Moura; Valdir Silva; Lisandra Fossari Iwersen; Uziel Santana; Heitor Darós; Suélen Benincá;  Marcelo Cidral; Viviana Bittencourte; Márcio Tessmann e Rogério Guilherme de Oliveira (ator e tenor).
Cenografia: Marcos Carioni, Márcio Tessmann Criação da Maquete Virtual e decoupagem do Cenário – Marcos Carioni
Figurino – “Ato Cênico”, José A. Beirão Filho
Adereços: Edmundo Meira
Contra Regra: Daniel Martins
Sonoplastia: Sérgio Bessa
Vídeo Arte: Gabriel Fahdo, Calu
Operadora de Slides: Melissa Amaral
Iluminação: Carmen Fossari, Luciano Bueno
Operador de Luz: Luciano Bueno, Calu
Preparação Corporal: Lucas Namen Flygare (primeira fase) , Mariana Lapolli
Voz: Rogério Guilherme de Oliveira e Thaianna Volkamann Nakandakari
Direção Musical – Guilherme Rogério Oliveira
Fotografia: Vinícius Nakandakari e Calu
Arte Folder: Vinícius Nakandakari
Texto e Direção Geral: Carmen L. Fossari

Apoio dos setores da UFSC: Departamento Artístico Cultural, Secretaria de Cultura e Arte, Centro de Cultura e Eventos, Departamento de Gestão Patrimonial, Marcenaria da UFSC, Imprensa Universitária, Sr. Edwilson Ribeiro.

 

Projeto Experimenta

A segunda edição do Experimenta, que acontece na semana de 06 a 10 de novembro, vai levar aos diversos locais da UFSC várias atrações culturais como dança, música, teatro, performances além de workshops que vão proporcionar à comunidade universitária e local uma semana inteira de espetáculos nas mais diversas formas de expressão artística.

Aberto ao público e gratuito, o evento é realizado pela Secretaria de Cultura e Arte da UFSC e pretende criar um “supercircuito” de arte e cultura que vai tomar conta de diversos espaços da UFSC no mês de novembro.

“Experimentar” significa incentivar a produção no campo das artes e aproximar essas diferentes linguagens artísticas. “Queremos mostrar o que a UFSC produz em relação às artes, mudar essa ideia que a arte é só extensão. Arte também é pesquisa e produção”, explica a Secretária Maria de Lourdes Borges.

Confira a programação completa do Experimenta aqui.

Serviço

O quê: Apresentação do espetáculo teatral “Luz em Einstein”, com o Grupo Pesquisa Teatro Novo da UFSC, com texto e direção de Carmen L. Fossari.
Quando: dia 9 e 10 de novembro de 2017, quinta e sexta-feira, às 20 horas.
Onde: Auditório Garapuvu, Centro de Cultura e Eventos da UFSC, Praça da Cidadania, Trindade, Florianópolis (SC).
Quanto: Gratuito. Os Ingressos serão distribuídos uma hora antes do início da apresentação.

Contato: Experimenta: UFSC Florianópolis: SeCArte: www.secarte.ufsc.br | Evento no Facebook (https://www.facebook.com/events/139876323316936 ) – Tel. (48) 3721-2376 – Visite www.dac.ufsc.br